Crédito malparado: Será que a praga vai voltar?

Será que o incumprimento vai aumentar? E o que fazer para nos precavermos? É o que tentaremos responder neste artigo.

O crédito malparado é uma praga. Fazemos muitos e variados créditos com base em determinados pressupostos que entretanto se alteram. Será que o incumprimento vai aumentar? E o que fazer para nos precavermos? É o que tentaremos responder neste artigo.

O cenário atual não é animador…

A evolução da concessão de crédito e o ressurgimento de problemas de pagamento de prestações não é recente. De facto, temos visto que os pedidos de apoio têm aumentado consistentemente desde o início do ano, uma tendência que se fez acompanhar pelo aumento da concessão de crédito a particulares. Aliás, temos alertado para os perigos do aumento da procura de crédito e da queda das taxas de poupança das famílias, deixando-as mais vulneráveis a eventuais crises ou abanões. Infelizmente, esta crise veio repentinamente e de forma inesperada…

É fundamental que tenhamos em mente que os problemas financeiros estiveram adormecidos durante alguns anos, fruto de medidas de renegociação de créditos, sendo a principal a atribuição de períodos de carência nos créditos que entretanto chegam ao fim.

O que mudou com esta nova crise?

Somos todos conhecedores de alguns dos impactos imediatos da crise que atravessamos. De um momento para o outro as famílias são confrontadas com reduções drásticas no seu rendimento, seja pelos mecanismos de layoff, seja pelo aumento do desemprego ou pelo encerramento de empresas e o seu impacto nos sócios-gerentes e nos trabalhadores independentes.

Para atenuar o impacto da redução do rendimento foram criadas algumas medidas muito úteis, com a atribuição de moratórias de crédito pela banca, moratórias que vão numa maior profundidade que os mínimos exigidos pelo Estado. Acontece que estas moratórias estão vedadas a famílias em incumprimento ou com dívidas ao Estado, ficando muitas famílias de fora deste apoio (talvez as que mais precisam dele).

O que vai acontecer nos próximos meses?

Sabemos que os impactos económicos desta crise vão ser profundos e não sabemos quanto tempo demorará a recuperar. Sabemos sim que muitas famílias vão perder rendimento, que a taxa de desemprego irá aumentar e que os salários irão ter uma tendência de redução. Logo, é fundamental atuar rapidamente para controlar os danos:

·        Consolidação de créditos, nos casos em que ainda não existe incumprimentos, é possível juntar todos os créditos num único para reduzir prestações;

·        Renegociar os créditos junto das diversas instituições financeiras, seja pelo pedido de moratórias (não existindo ainda incumprimentos) seja pela negociação de prazos e de carências;

·        Analisar as coberturas dos seguros de proteção ao crédito e se possível ativar o seguro, ganhando aqui alguma margem de manobra (é para isso que estes seguros servem);

·        Atacar todas as restantes despesas, garantindo uma redução estrutural dos encargos mensais.

Nas finanças pessoais não existem milagres. Seguindo algumas regras simples e criando hábitos de gestão financeira conseguimos ter uma vida financeira saudável, sendo as palavras de ordem a sobriedade e a prudência. Por que tendemos a esquecer-nos disso?

Ler mais
Recomendadas

Penhora do reembolso do IRS: em que situações pode ocorrer?

Sabia que pode ser alvo de uma penhora do reembolso do IRS? Esta pode ocorrer não só por ter dívidas às Finanças, como também em situações de incumprimento a qualquer credor público ou privado. Descubra em que ocasiões pode acontecer este tipo de penhora e o que fazer nestas circunstâncias.

Segurança Social com formulário para empresas que queiram desistir do ‘lay-off’

A desistência pode abranger a totalidade do pedido, ou seja, desde o início, ou aplicar-se apenas a partir de data indicada pela entidade empregadora.

Crédito pessoal com problemas bancários. É possível?

O pedido de um crédito pessoal com problemas bancários pode não ser facilitado pelas instituições financeiras, mas nem sempre é negado aos consumidores. Fique a conhecer como é possível pedir um empréstimo nestas condições e como evitar situações de incumprimento.
Comentários