“Crescimento mantém-se resiliente”, considera ministério das Finanças

Gabinete de Mário Centeno reage aos dados do INE e “destaca rajetória de convergência face à Europa que perdura já há mais de dois anos”.

O Ministério das Finanças considera que os dados do PIB revelados hoje pelo INE mostram que o “crescimento económico no terceiro trimestre de 2019 mantém-se resiliente”.

No terceiro trimestre, o PIB cresceu 1,9% em termos homólogos e 0,3% em cadeia, de acordo com a estimativas provisórias publicadas esta quinta-feira pelo INE.

Em comunicado, as Finanças sublinham que a economia portuguesa “cresceu pelo 22º trimestre consecutivo”, conseguindo manter a mesma dinâmica de crescimento homóloga registada no trimestre anterior. O gabinete de Mário Centeno frisa também que o desempenho em Portugal ultrapassou uma “vez mais o crescimento da área do euro e da União Europeia”, que cresceram 1,1% e 1,4%, respetivamente, e que o crescimento do PIB “continua a ser pautado pelo crescimento do emprego e pela redução do desemprego”.

No terceiro trimestre de 2019, refere o documento, foram criados mais 45 mil empregos (+0,9%) em comparação com o terceiro trimestre de 2018, enquanto que o número de desempregados diminuiu em cerca de 29,3 mil em igual período, correspondente a uma redução da taxa de desemprego em 0,6 pp para 6,1%, o menor valor desde 2003.

“Portugal reforça assim a trajetória de convergência face à Europa que perdura já há mais de dois anos e manifesta resiliência relativamente à degradação do ambiente macroeconómico externo que tem marcado os trimestres mais recentes”, indica o ministério.

Para as Finanças, a recuperação do investimento ao longo dos últimos anos, a estabilização do setor financeiro, o reequilíbrio das contas externas e os progressos alcançados na consolidação estrutural das contas públicas “são pilares fundamentais para a atual dinâmica da economia portuguesa e bases sólidas para a sua evolução futura”.

Ler mais

Relacionadas

Economia estabiliza no terceiro trimestre, com PIB a crescer 1,9%

INE revela que economia cresceu ao mesmo ritmo do trimestre anterior, em termos homólogos. Na evolução em cadeia, contudo, verifica-se uma desaceleração para 0,3%.
Recomendadas

Açores em números. Economia regional representa 2% do PIB de Portugal

Uma casa neste arquipélago vale menos 146 euros por metro quadrado do que a média nacional. Só o município de Ponta Delgada tem poder de compra per capita superior à média do país. Estes e outros indicadores estatísticos neste retrato da região autónoma.

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.
Comentários