Crescimento no retalho e esperanças de vacina animam Wall Street

Destaque ainda para a Boeing, que valoriza 4% depois o regulador europeu afirmar que está satisfeito com alterações ao 737 Max e que a aeronave é segura para voar.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque abriu a sessão desta sexta-feira em terreno positivo depois de os laboratórios Pfizer anunciarem que aguardam novos de dados de segurança para pedirem autorização de uma vacina contra o coronavírus que estão a desenvolver em conjunto com a alemã BioNTech. As ações da Pfizer valorizam 2,1%, enquanto as ações da BioNTech subiram 3,4%.

No início da sessão, o S&P 500 sobe 0,43%, para 3,497.34 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 0,46%, para 11,768.23 pontos, e o industrial Dow Jones cresce 0,27%, para 28,570.72 pontos.

“A China deverá aprovar uma lei de proteção de tecnologia para restringir exportações consideradas vitais para a segurança nacional, o que pode ser mais um passo na disputa com os Estados Unidos. A evolução de possíveis pacotes de estímulo, nomeadamente nos Estados Unidos, a segunda vaga da pandemia Covid-19 e a earnings season do terceiro trimestre são atualmente o foco dos investidores”, explica Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium bcp.

Destaque ainda, a nível empresarial, para a Boeing, que valoriza 4% depois o regulador europeu afirmar que está satisfeito com alterações ao 737 Max e que a aeronave é segura para voar.

No retalho, os dados mais recentes mostram que as vendas nos Estados Unidos aumentaram mais do que o esperado em setembro, embora a recuperação da recessão esteja num impasse à medida que o dinheiro do governo se esgota e novas infeções de Covid-19 surgem em todo o país.

Recomendadas

Wall Street fecha misto, alavancado pelas tecnológicas

Os principais índices bolsistas dos Estados Unidos encerraram no vermelho – com a exceção do tecnológico Nasdaq, que fechou a ganhar mas apenas ligeiramente. O dia ficou marcado pela divulgação dos resultados de várias empresas

BCP, Altri e Galp recuam e põem PSI-20 em rota descendente em linha com a Europa

A banca puxou o IBEX para as maiores perdas da Europa à custa dos resultados do Santander. O BCP não escapou e fechou em queda significativa no dia em que os lucros da unidade polaca caem 75%. A Galp e a Altri lideraram as perdas num índice com 13 ações em queda.

Wall Street abre mista com Nasdaq em alta

Destaque para as reações positivas às contas da Harley-Davidson, Nxp Semiconductors, AMD, Merck & Co e JetBlue. A Xilinx também segue animada. No plano macroeconómico foi revelado que as encomendas de Bens Duradouros nos EUA apresentaram um bom registo em setembro.
Comentários