Criminólogos: a nova profissão regulamentada em Portugal

Propostas do Bloco de Esquerda e do CDS-PP, que reconhecem e regulamentam a profissão de criminólogo, foram aprovadas com abstenção do PS.

A partir desta sexta-feira, existe uma nova profissão reconhecida e regulamentada em Portugal. O Parlamento aprovou, com a abstenção do PS e votos a favor do PSD, BE, CDS-PP, PCP, PEV e PAN, os projetos de lei sobre o exercício profissional dos criminólogos.

A proposta do Bloco de Esquerda (BE) prevê a definição dos princípios gerais respeitantes ao exercício profissional dos criminólogos, reconhecendo e regulamentando a profissão e constituir o regulamento do exercício profissional dos criminólogos. Atribui, assim, aos atribuições dos criminólogos, a análise criminológica, a investigação criminal, a conceção e execução de programas de prevenção da criminalidade e de avaliação do risco de reincidência, a intervenção comunitária e conceção de políticas sociais e penais e a investigação científica e ensino, dentro do âmbito da sua formação.

Já a proposta do CDS-PP estipula que são abrangidos pelo presente regime todos os criminólogos que exerçam a sua atividade no território nacional, em regime de trabalho subordinado ou de forma independente, sendo o regime vinculativo para todas as entidades empregadoras dos sectores público, privado, cooperativo e social.

“O criminólogo é o profissional habilitado com uma licenciatura em criminologia, cuja posse lhe confere a competência para a análise e estudo do fenómeno criminal”, esclarece.

Recomendadas

OE2021: Desporto descontente com falta de “apoio extra” à formação

O movimento desportivo português mostrou-se manifestamente derrotado no Orçamento do Estado para 2021. O setor pretendia conseguir mais financiamento para as atividades de formação.

Assembleia da República vota provável prolongamento do Estado de Emergência a 4 de dezembro

Na próxima semana, o parlamento realizará três sessões plenárias – um na quinta-feira, dia 3 de dezembro, e dois na sexta-feira, dia 04, um de manhã e outro à tarde – e na semana seguinte dois plenários, marcando para dia 11 um debate setorial com um membro do Governo ainda a definir.

Marisa Matias: Bruxelas entre a “chantagem dos países frugais e dos agressores do Estado de Direito”

“Cedência atrás de cedência colocou-nos aqui e a minha pergunta é: até quando? O que é que vai restar do projeto europeu? Se não tivermos uma resposta firme de solidariedade, se continuarmos a aceitar a aceitar a chantagem daqueles que não o querem solidário”, questionou Marisa Matias no mesmo dia que a Hungria e Polónia confirmaram os seus vetos ao Orçamento europeu.
Comentários