Criminólogos: a nova profissão regulamentada em Portugal

Propostas do Bloco de Esquerda e do CDS-PP, que reconhecem e regulamentam a profissão de criminólogo, foram aprovadas com abstenção do PS.

A partir desta sexta-feira, existe uma nova profissão reconhecida e regulamentada em Portugal. O Parlamento aprovou, com a abstenção do PS e votos a favor do PSD, BE, CDS-PP, PCP, PEV e PAN, os projetos de lei sobre o exercício profissional dos criminólogos.

A proposta do Bloco de Esquerda (BE) prevê a definição dos princípios gerais respeitantes ao exercício profissional dos criminólogos, reconhecendo e regulamentando a profissão e constituir o regulamento do exercício profissional dos criminólogos. Atribui, assim, aos atribuições dos criminólogos, a análise criminológica, a investigação criminal, a conceção e execução de programas de prevenção da criminalidade e de avaliação do risco de reincidência, a intervenção comunitária e conceção de políticas sociais e penais e a investigação científica e ensino, dentro do âmbito da sua formação.

Já a proposta do CDS-PP estipula que são abrangidos pelo presente regime todos os criminólogos que exerçam a sua atividade no território nacional, em regime de trabalho subordinado ou de forma independente, sendo o regime vinculativo para todas as entidades empregadoras dos sectores público, privado, cooperativo e social.

“O criminólogo é o profissional habilitado com uma licenciatura em criminologia, cuja posse lhe confere a competência para a análise e estudo do fenómeno criminal”, esclarece.

Recomendadas

Parlamento discute fim da fixação de preços no setor do táxi

Os sociais-democratas consideram que esta prática restringe a concorrência e impede a “normal resposta da oferta a diferentes condições da procura, em detrimento da eficiência económica”.

Resolução do BES está a ser feita às prestações, diz presidente do Fundo de Resolução

“O que aconteceu em Portugal, é que o Fundo de Resolução foi criado em 2012, e em 2014, tinha apenas 337 milhões de euros”, salientou Máximo dos Santos. O Fundo de Resolução já pagou 466 milhões de euros em juros e comissões ao Estado, com as medidas de resolução, explicou Máximo dos Santos.

Nuno Melo: “O PPE fez muito mais do que os socialistas no caso da Roménia”

Eurodeputado português participou na reunião em que foi decidido, quase por unanimidade, suspender o Fidesz, partido do polémico primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán.
Comentários