Criptomoeda do Facebook é uma ameaça. Governo francês avisa União Europeia

Durante o encontro da Organização de Cooperação Económica e Desenvolvimento em Paris, o ministro das finanças francês disse que “a eventual privatização de dinheiro representa riscos de abuso de poder, riscos para a soberania, e riscos para os consumidores e empresas”.

O ministro das finanças francês, Bruno Le Maire, afirmou esta quinta-feira 12 de setembro que a criptomoeda que o Facebook pretende lançar poderá vir a representar um “sério risco” para a soberania monetária do euro. Le Maire afirma também que o governo francês não vai autorizar o uso da criptomoeda no país, e assegura que tudo fará para impedir que os restantes estados membros da União Europeia autorizem o uso da ‘Libra’ assim apelidada por Mark Zuckerberg, fundador e presidente da Facebook, segundo a BBC.

Durante o encontro da Organização de Cooperação Económica e Desenvolvimento em Paris, o ministro das finanças francês disse que “a eventual privatização de dinheiro representa riscos de abuso de poder, riscos para a soberania, e riscos para os consumidores e empresas”

Bruno Le Mair afirmou também durante o encontro que está em conversações com o Banco Central Europeu com o propósito da criação de uma criptomoeda “pública” que respeite as regras das instituições financeiras mundiais.

A ‘Libra’ será controlada por uma associação sem fins lucrativos baseada na Suíça. Ainda assim as autoridades suíças afirmaram que os pagamentos que utilizem a criptomoeda estarão sujeitos ao cumprimento de regras tipicamente associadas a bancos, ao que se acrescentam outras que visam garantir que não existe lavagem de dinheiro.

A criptomoeda de Zuckerberg aguarda o seu lançamento oficial, algo que deverá acontecer “algures” no próximo ano. Até lá, o Facebook já garantiu parcerias com a Visa e a Mastercard, e também com as empresas de transporte Lyft e Uber.

Recomendadas

À procura de emprego? TAP vai contratar 800 novos trabalhadores em 2020

Desde 2015 que a empresa já contratou mais de três mil trabalhadores. A grande maioria das contratações no próximo ano vai ser de comissários de bordo.

Governo suspende 18 obras na ferrovia no norte e centro

A modernização da Linha do Oeste, entre Mira Sintra-Meleças e Caldas da Rainha, só deve arrancar no fim de 2020, sendo esta a data em que as obras deveriam estar concluídas e a ligação estabelecida e em funcionamento.

Moody’s: Portugal “bem posicionado” rumo à descarbonização. EDP vai beneficiar do novo paradigma

Numa nota divulgada esta terça-feira, a Moody’s destaca os custos em queda das energias renováveis e que os leilões regulares de energia solar e eólica em Portugal e Espanha são uma oportunidade para as empresas do setor aumentarem os ganhos.
Comentários