Criptomoeda do Facebook é uma ameaça. Governo francês avisa União Europeia

Durante o encontro da Organização de Cooperação Económica e Desenvolvimento em Paris, o ministro das finanças francês disse que “a eventual privatização de dinheiro representa riscos de abuso de poder, riscos para a soberania, e riscos para os consumidores e empresas”.

O ministro das finanças francês, Bruno Le Maire, afirmou esta quinta-feira 12 de setembro que a criptomoeda que o Facebook pretende lançar poderá vir a representar um “sério risco” para a soberania monetária do euro. Le Maire afirma também que o governo francês não vai autorizar o uso da criptomoeda no país, e assegura que tudo fará para impedir que os restantes estados membros da União Europeia autorizem o uso da ‘Libra’ assim apelidada por Mark Zuckerberg, fundador e presidente da Facebook, segundo a BBC.

Durante o encontro da Organização de Cooperação Económica e Desenvolvimento em Paris, o ministro das finanças francês disse que “a eventual privatização de dinheiro representa riscos de abuso de poder, riscos para a soberania, e riscos para os consumidores e empresas”

Bruno Le Mair afirmou também durante o encontro que está em conversações com o Banco Central Europeu com o propósito da criação de uma criptomoeda “pública” que respeite as regras das instituições financeiras mundiais.

A ‘Libra’ será controlada por uma associação sem fins lucrativos baseada na Suíça. Ainda assim as autoridades suíças afirmaram que os pagamentos que utilizem a criptomoeda estarão sujeitos ao cumprimento de regras tipicamente associadas a bancos, ao que se acrescentam outras que visam garantir que não existe lavagem de dinheiro.

A criptomoeda de Zuckerberg aguarda o seu lançamento oficial, algo que deverá acontecer “algures” no próximo ano. Até lá, o Facebook já garantiu parcerias com a Visa e a Mastercard, e também com as empresas de transporte Lyft e Uber.

Recomendadas

Atenção à sua smart TV. Televisões inteligentes enviam dados privados para Netflix e Facebook

A Amazon, Google, Akamai e Microsoft foram as empresas mais contactadas por parte das smart TV. A Universidade de Northeastern conduziu o estudo em 81 aparelhos distintos e encontrou “casos notáveis de exposição de informação” privada.

Nova Iorque suspende venda de cigarros eletrónicos com sabor

A venda destes produtos está proibida por 90 dias e serve como uma lei de emergência até os EUA chegarem a um consenso político sobre o passo a seguir.

Empresas de pirotecnia acusam Governo de “perseguição absurda e infundada”

Críticas surgem depois da tutela ter emitido despachos que proíbem o lançamento de fogo de artifício durante vários dias em diversos distritos devido ao alerta vermelho da Proteção Civil para risco de incêndio.
Comentários