Crowdfunding: um modelo que veio para ficar

A plataforma Housers permite investir em imóveis com um mínimo de 50 euros.

O crowdfunding chegou definitivamente ao mercado imobiliário português. A Housers estreou-se recentemente em Portugal com um projeto em Campo de Ourique, que foi financiado em apenas 20 dias.

Com menos de dois anos de existência, a Housers, uma plataforma de Fintech espanhola, conta com mais de 70 mil utilizadores inscritos, sendo que prevê alcançar 11 mil no mercado português até ao final de 2018. Já foram financiados 200 imóveis, reunidos entre os investidores mais de 33 milhões de euros, e já foram distribuídos cerca de 2,5 milhões de euros em benefícios e devolução de capital.

João Távora, CEO da Housers, revela que o mercado português de crowdfunding ainda está a dar os primeiros passos, mas acredita que tem um enorme potencial como alternativa às formas de investimento tradicionais. “Simultaneamente, estamos a assistir a um crescimento do setor imobiliário na ordem dos 20% ao ano (segundo dados recentes da Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários – APPII), sendo que grande parte do investimento feito no setor é realizado por investidores estrangeiros. Como tal, acho que o mercado está bastante preparado para uma plataforma de crowdfunding, na medida em que facilita a entrada de investimento estrangeiro, mas dá também a possibilidade aos portugueses de entrarem neste mercado deixando este de ser um setor exclusivo de investidores com grande capacidade financeira”, explica.

O responsável admite que Portugal vive um dos melhores momentos dos últimos anos e investir no setor imobiliário português é sem dúvida uma excelente oportunidade. João Távora revela que através da Housers é possível poupar e investir num setor que se encontra em rápido crescimento, e que oferece rentabilidades mais atrativas e com menos risco, em comparação com outros instrumentos financeiros. “Quanto à questão do risco, a equipa de especialistas da Housers trata de todo o processo burocrático, seleciona e estuda criteriosamente a rentabilidade dos imóveis e dá a possibilidade ao investidor de escolher exatamente os imóveis onde quer aplicar as suas poupanças, permitindo-lhe também diversificar o risco”, adianta.

Relativamente ao primeiro projeto em Portugal, o CEO refere que o balanço é muito positivo. A operação inclui um investimento total de 193.000 euros e foi financiada por 453 investidores, com investimentos desde 50 euros a 5447 euros, em apenas 20 dias. “Estamos a falar de pequenos investidores, na maioria espanhóis e italianos, o que mostra que o mercado imobiliário português é bastante atrativo para os estrangeiros. Também já tivemos alguns investidores portugueses que começam a descobrir a plataforma”, salienta.

Relativamente ao mercado imobiliário português, acredita que a atratividade do país para estrangeiros vai continuar a “aquecer” o setor. Em relação ao crowdfunding, acha que é um modelo que veio para ficar, pois está a crescer rapidamente a nível internacional, nomeadamente em mercados tão próximos como Espanha ou França. No caso de Portugal, já é uma tendência. “O aparecimento da Housers e de outras fintech no mercado comprovam o potencial do crowdfunding. E acredito que vá continuar a crescer, oferecendo aos investidores uma alternativa onde investir e com rentabilidades muito atrativas”, explica.

De recordar que através da Housers existe a possibilidade de investir em imóveis em Espanha, Itália, e agora em Portugal, com um mínimo de 50 euros.

Ler mais
Recomendadas

Valor médio das rendas fixa-se nos 5,41 euros por metro quadrado

Esta valor representa uma descida de 9,8% pontos percentuais (p.p) nos novos contratos de arrendamento. No segundo trimestre de 2020, houve uma redução do valor médio das rendas face ao período homólogo em 12 dos 24 municípios com mais de 100 mil habitantes.

Alojamento local perdeu quase três mil casas entre Lisboa e Porto durante a pandemia

Na capital registaram-se menos 1.744 apartamentos nas tipologias T0 e T1 ativos em junho deste ano face a igual período de 2019. Já no Porto, a quebra foi de menos 1.158 apartamentos durante o mesmo período.

Aquisição de imóveis por não-residentes chegaram aos 13,3% do valor total transacionado

O Algarve ultrapassou Lisboa como a região que mais atraiu o investimento imobiliário por não-residentes, na maioria deles franceses e britânicos.
Comentários