CTT e Sonae SGPS colocam PSI 20 em linha com a Europa

O principal índice bolsista português encerrou a sessão desta quarta-feira a valorizar 0,44%, para 5.131,37 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias.

O principal índice bolsista português, PSI 20, encerrou a sessão desta quarta-feira a somar 0,44%, para 5.131,37 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres na Europa, onde só o italiano FTSE MIB fechou a negociar no vermelho.

Como principais impulsionadores estiveram os CTT que cresceu 2,61%, para 2,26 euros, no dia em que negociaram sob a forma de ex-dividendo. Por sua vez, a Sonae Capital subiu 1,96%, para 0,96 euros. Em crescimento esteve também a Mota-Engil (1,14%), para 2,13 euros.

Em terrenos negativos estiveram a Ibersol (0,98%), para 8,06 euros,e a papeleira Semapa, que caiu 0,46%, para 13,04 euros, assim como a Navigator que desvalorizou ligeiramente 0,06%, para 3,45 euros.

Nas praças europeias a sessão encerrou numa trajetória ascendente, impulsionada pelos novos desenvolvimentos relativos às relações sino-americanas e só o FTSE MIB em Itália encerrou no vermelho, apesar de hoje ter sido noticiado que o italiano Unicredit já estará a preparar-se para adquirir o Commerzbank.

Na Alemanha, o DAX subiu 0,92%, no Reino Unido, o FTSE 100 cresceu 0,80%, o francês CAC 40 valorizou 0,62%, o holandês AEX subiu 0,44%. Em Espanha, o IBEX35 ganhou 0,55% e o italiano FTSE MIB desceu 0,09%.

A cotação do barril de Brent cresceu 0,98%, para 71,94 dólares, enquanto a cotação do crude WTI valorizou 0,39%, para 62,02 dólares por barril.

No mercado cambial o euro valorizou 0,04%, para 1,12 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários