CTT Expresso celebra primeiro Acordo de Empresa que abrange 1.200 trabalhadores

O acordo “abrange os cerca de 1.200 trabalhadores da CTT Expresso” e foi firmado hoje, “com o acordo da larga maioria dos sindicatos”.

Cristina Bernardo

Os CTT anunciaram hoje que, “após um célere processo negocial com todas as associações sindicais representativas dos trabalhadores na empresa”, a CTT Expresso celebrou o primeiro Acordo de Empresa (AE), que abrange 1.200 pessoas.

Em comunicado, os Correios de Portugal referem que o AE foi firmado hoje, “com o acordo da larga maioria dos sindicatos”.

De acordo com os CTT, este AE foi subscrito pelos sindicatos SINDETELCO, SITIC, SNTCT, SINCOR, SICOMP e FENTCOP, “que representam mais de 93% dos trabalhadores filiados em associações sindicais, contando com a presença do presidente da Comissão Executiva dos CTT, João Bento, e do administrador António Pedro Silva”.

Os Correios de Portugal adiantam que “a conclusão com êxito deste processo negocial relativo ao primeiro Acordo de Empresa da CTT Expresso representa o início de uma etapa com políticas de gestão de pessoas alinhadas com a estratégia do grupo CTT”.

Contribui “para o desenvolvimento pleno da atividade da empresa, a sua afirmação como líder no mercado em que atua, na dupla dimensão económica e social, e a melhor experiência de serviço junto dos clientes”, conclui a empresa.

O acordo “abrange os cerca de 1.200 trabalhadores da CTT Expresso”.

Ler mais
Recomendadas

Propostas dos operadores superam os 194 milhões de euros no quinto dia da licitação principal do leilão do 5G

Em leilão estão faixas dos dos 700 MHz, 900 MHz, 2,1 GHz, 2,6 GHz e 3,6 GHz. No conjunto dos mais de 50 lotes em concurso, o preço base total é de 195,9 milhões. Esta quarta-feira, sete lotes viram o seu preço base aumentar.

Sindicatos da TAP foram avisados de que BE ia propor auditoria à gestão de Neeleman

A auditoria proposta pelo Bloco de Esquerda não será viabilizada no Parlamento. O projeto de resolução entregue pelo BE a recomendar ao Governo uma auditoria à gestão privada da TAP, não chegará a qualquer conclusão no sentido de saber quais são as efetivas responsabilidades do empresário David Neeleman na gestão da TAP e na situação financeira em que a companhia aérea se encontra.

AHRESP defende revogação da medida que proíbe venda de bebidas em ‘take-away’

A associação refere que a medida “apenas vai prejudicar a já difícil situação dos estabelecimentos”. A AHRESP acrescenta que “o que se quer prevenir é o consumo de produtos à porta do estabelecimento ou nas suas imediações, e não a venda”.
Comentários