Custos de transporte das famílias na UE superior a 1,1 mil milhões de euros

Os transportes são a segunda maior despesa doméstica das famílias europeias, depois da habitação onde são gastos 24% das despesas de consumo. Por sua vez, em terceiro lugar situa-se a alimentação e as bebidas não alcoólicas, com 12,1% dos gastos.

Rafael Marchante / Reuters

Apesar da diminuição do valor dos passes mensais, o valor gasto por famílias em transportes continua a ser elevado como confirmam os dados divulgados pelo Eurostat.

De acordo com os dados divulgados pelo gabinete estatístico europeu, as famílias da União Europeia gastaram 13,2% das suas despesas de consumo em transportes. Este valor representa uma despesa superior a 1,1 mil milhões de euros, o que equivale a 2.220 euros por habitante da UE, ou 7,2% do PIB da UE.

Os transportes são a segunda maior despesa doméstica das famílias europeias, depois da habitação onde são gastos 24% das despesas de consumo. Por sua vez, em terceiro lugar situa-se a alimentação e as bebidas não alcoólicas, com 12,1% dos gastos.

As maiores e menores despesas

De acordo com o Eurostat, a Eslovénia é o país que mais despende dinheiro para os transporte, com cerca de 2.060 euros por cidadão, ou seja, 16,9% da despesa e o equivalente a 9,3% do PIB. Contrariamente está a Eslováquia, em que as famílias despendem 600 euros, o equivalente a 3,6% do PIB e a 6,6% das despesas de consumo.

Na União Europeia, a Lituânia e o Luxemburgo situam-se em segundo lugar, com 15,8% da despesa familiar destinada para os transportes, o equivalente a 9,8% e 5,3% do PIB dos países, respetivamente. Seguem-lhe o Chipre, com 14,7% de despesa familiar, o que representa 10,6% do PIB.

França encontra-se em quarto lugar, com despesas na ordem dos 14,1% e 7,4% do PIB do país, seguindo-lhe a Alemanha com gastos de 13,8% e 6,9% do PIB e a Hungria e Reino Unido com as famílias a gastarem 13,7%, sendo este valor 6,8% e 8,5% do PIB de cada país, pela mesma ordem.

Portugal, por sua vez, situa-se acima da média da União Europeia. As famílias portuguesas despedem 13,4% das despesas de consumo nos transportes, sejam eles individuais ou transportes públicos. Assim, em 2018, os portugueses gastavam 1.830 euros por cidadão, sendo que o seu conjunto a despesa representava 18,863 milhões de euros gastos em transportes. Desta forma, os gastos com transportes representavam 9,3% do PIB português.

No lado menos dispendioso, encontra-se a Eslováquia, então com 6,6%. Segue-lhe a Croácia com gastos na ordem de 9,7%, a República Checa com 10,4% e a Roménia com 11,2% da despesa. Na lista de menos despesa está também a Bélgica, com 11,4%, Estónia e Malta empatados em 11,6% da despesa, Letónia com 11,8% e a Finlândia com 11,9%.

As quedas nas despesas com os transportes

Entre 2008 e 2018, alguns países conseguiram diminuir a sua despesa com os transportes. Verificando os dados do gabinete de estatística, a maior queda observou-se na Roménia, que passou de 15,1% em 2008 para 11,2% em 2018, registando uma redução de 3,9 pontos percentuais.

Também a Bulgária e o Chipre conseguiram reduzir a despesa em 2,5 pontos percentuais e o Luxemburgo diminuiu em 2 pontos percentuais.

No entanto, se houve países que registaram reduções, outros verificaram aumentos com a despesa dos transportes. A Polónia viu a sua despesa aumentar em 1,2 pontos percentuais, entre 11,7% para 12,9%, seguindo-lhe a Eslovénia com um aumento de 1 ponto percentual, a Alemanha, República Checa e Espanha com um acréscimo de 0,6 pontos percentuais.

Também a Irlanda aumentou 0,3 pontos percentuais, Letónia e França aumentaram 0,2 pontos percentuais e a Eslováquia em 0,14 pontos percentuais.

Ler mais

Recomendadas

PremiumOrçamento de longo prazo da União Europeia continua num impasse

Líderes europeus discutem em Bruxelas a dotação de verbas do próximo quadro plurianual, mas ‘Amigos da Coesão’ e ‘contribuintes líquidos’ só concordam em discordar da proposta apresentada por Charles Michel.

Covid-19: Economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre, diz diretora do FMI

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.
Comentários