Da banalização do mal

Anunciam-se ‘lay-offs’ sobre a recente designação de “apoio ao emprego”, e não há uma alma que publicamente se interrogue se todos os destinatários de tais apoios, isto é, as empresas, deveriam ter acesso a essa medida.

(Recebi há dias uma sentença condenando um grande grupo económico português por assédio moral. A trabalhadora em causa gostaria – e tem esse direito – de a ver publicitada. Esbarrou num muro, que é quase um murro, de silêncio porque o dito grupo faz publicidade em quase todos os órgãos de comunicação social e, como tal, cada um deles prefere assobiar para o lado e fingir que não está a acontecer. Daqui retiro duas consequências: a primeira, de que já tenho falado, é que, genericamente, temos acesso às notícias que alguns poderes mais ocultos ou, pelo menos, não expressamente anunciados nos deixam ter. A segunda é um louvor a este Jornal, que nunca, mas nunca, me limitou o conteúdo destas linhas. Obrigada.)

Se Sartre um dia escreveu que “o inferno são os outros”, os tempos actuais trataram de dar um novo significado a esta frase. Uns confinados em casa (sem que isso signifique necessariamente, e ao contrário do que alguns pretendem fazer crer, a pertença a uma classe privilegiada), outros confinados no trabalho, todos confinados no lazer, a tendência crescente é para uma notória individualização dos interesses e para o enfraquecimento de noções básicas de solidariedade.

Se mais de metade dos telejornais são dedicados à Covid-19, a verdade é que das poucas notícias para além do tema da pandemia a que temos acesso ressalta uma crise em que as principais vítimas são os pequenos empresários e, claro e como sempre, os trabalhadores.

No final do mês, como sucedeu com a Groundforce, avisam-se trabalhadores que não se lhes paga o ordenado desse mesmo mês, colocando-se os accionistas na posição de cada um culpar o outro, e ninguém se indigna. Olhamos para a manifestação que, legitimamente, fizeram com distanciamento porque, por enquanto, ainda temos o nosso ordenado a cair na conta.

No sector bancário, particularmente protegido pelo Governo, fazem-se rondas para os famosos “mútuos acordos”, atirando para o desemprego mais trabalhadores, cuja factura nos é apresentada a nós, via segurança social.

Também a Galp tratou de iniciar vários procedimentos de despedimento colectivo, cujo âmbito não se restringe, ao contrário do que poderíamos ser tentados a pensar, a Matosinhos e ninguém diz nada.

Ao lado, anunciam-se lay-offs sobre a recente designação de “apoio ao emprego”, passe a ironia, e não há uma alma que publicamente se interrogue se todos os destinatários de tais apoios, isto é, as empresas, deveriam ter acesso a essa medida.

Se se deixa cair que não há dinheiro para tudo, a verdade é que pouco ou nada se tem fiscalizado. E, no meio disto, quando muitos já não têm que comer, fala-se de novos aeroportos, do TGV, de computadores para as escolas, como se não devêssemos estar já a pensar no regresso às escolas, pelo menos dos mais novos.

A banalização do mal está em marcha e, para tanto, todos contribuímos. Quando não activamente, pelo menos com a inércia.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Sócrates: chegou a hora de o PS fazer a sua autocrítica

O país merece esse gesto de humildade por parte do PS, tal como muitos dos seus próprios militantes e apoiantes que hoje se sentem defraudados por uma pessoa em quem confiaram.

Uma nação indignada

O que revolta mais neste processo, por ser sistémico, é saber que até há pouco tempo muitos dos arguidos usaram o imenso poder que tinham de forma desastrosa, causando danos ao país, às empresas e aos contribuintes.

Ainda somos sujeitos?

Os ‘big data’ só se alimentam do passado. O resultado é algoritmos que são tão filhos da Inteligência Artificial como da segregação. Por exemplo, softwares de reconhecimento facial que imputam rótulos de sociabilidade, marginalidade com base na cor da pele, na etnia, no género.
Comentários