Dados dos ativistas russos: “Um erro lamentável e que não devia ter acontecido”, diz Fernando Medina

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa fez um pedido de desculpas público aos organizadores da manifestação em defesa de Alexei Navalny. Autarquia não facultará mais nenhum dado relativamente a nenhum promotor de manifestação ou entidade, com exceção da Polícia de Segurança Pública.

Fernando Medina pediu desculpas aos promotores da manifestação em defesa dos direitos de Alexei Navalny, por “um erro a todos os títulos lamentável na Câmara Municipal de Lisboa, um erro que não devia ter acontecido em que dados de natureza pessoal foram transmitidos para a embaixada [da Rússia]”.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) explicou-se esta quinta-feira, 10 de junho, à imprensa sobre a divulgação dos dados pessoais de três ativistas russos que estiveram presentes numa manifestação realizada em Lisboa em janeiro. “É uma situação que não podia ter acontecido por várias razões, a principal das quais é que Lisboa tem orgulho em ser um espaço de liberdade, de segurança, de expressão e valorização dos direitos humanos, do direito à manifestação que tanto nos custou a conquistar”, afirmou Medina.

O autarca sublinhou que a posição de Portugal e da União Europeia tem sido de sintonia com aquela que foi afirmada pelos manifestantes “de grande preocupação com a violação dos direitos humanos, com a exigência da libertação de [Alexei] Navalny da prisão e situação em que se encontra”.

Fernando Medina frisou que este erro resultou de um funcionamento burocrático dos serviços da CML que aplicaram nesta manifestação o que aplicam às dezenas de manifestações que acontecem no município de Lisboa sobre os mais diversos motivos. “Não se tratou de uma manifestação sobre uma matéria difusa ou uma entidade de outra natureza, tratava-se deste caso concreto, esta informação não podia e não devia ter sido transmitida”, realçou.

De forma a que tais situações não se voltem a repetir, Fernando Medina referiu que a partir de hoje, a câmara de Lisboa “não facultará mais nenhum dado relativamente a nenhum promotor de manifestação ou entidade, com exceção da Polícia de Segurança Pública que fará depois as articulações com as entidades que promovem”.

O autarca adiantou também que vai promover uma alteração do funcionamento dos serviços que tratam desta matéria, tendo em vista que coisas destas não voltam a acontecer.

Pedido de demissão

Sobre o pedido de demissão feito pelo candidato do Partido Social Democrata (PSD), Carlos Moedas, o líder da autarquia disse que é “uma tentativa de aproveitamento político absolutamente evidente e o desespero em que se encontra a candidatura de Carlos Moedas, do que qualquer tentativa de que alguém acredite, de que à da parte do município algum conlui com o regime de Vladimir Putin. Essa expressão só pode resultar de um delírio desesperado”.

Fernando Medina mostrou-se também disponível para ir a uma audição no Parlamento, pedido que foi feito pelo CDS.

Relacionadas

CML confirma envio de dados dos ativistas, mas rejeita “cumplicidade com o regime russo”

Em comunicado, a autarquia informa que os dados dos três organizadores da “Concentração em Solidariedade com Alexei Navalny e apelo à sua libertação imediata” foram enviados para a embaixada da Rússia.

Câmara de Lisboa entregou a Moscovo dados pessoais de três ativistas russos em Portugal

Os dados terão sido obtidos na sequência de um protesto frente à embaixada da Rússia em Lisboa, a 23 de janeiro deste ano, evento onde é necessário enviar para a autarquia os dados pessoais de pelo menos três dos organizadores.

Amnistia Internacional considera gravíssima a partilha de dados de ativistas russos pela CML

A Amnistia Internacional pediu esclarecimentos urgentes à Câmara de Lisboa sobre a partilha de dados de ativistas russos em Portugal com as autoridades russas, a propósito de uma concentração na cidade, considerando o caso gravíssimo.
Recomendadas

PremiumDono da Amazon prestes a cumprir um sonho com 40 anos: viajar para o espaço

A primeira vez que Jeff Bezos falou da sua vontade de colonizar o espaço foi em 1982. O que parecia ser um devaneio de juventude não especialmente imaginativo vai ter um ponto alto a 20 de julho, quando o na altura ex-CEO da Amazon voar para lá do limite da Linha Karman.

Estado recebeu 3.048 candidaturas para 500 vagas de estágios na Administração Pública

O gabinete da ministra Alexandra Leitão disse na segunda-feira que a prorrogação foi feita tendo em conta que houve “uma correção” efetuada “no decurso do primeiro dia do prazo”. 

EMA recomenda suspender entrega de algumas vacinas da J&J devido a contaminação nos EUA

Ainda que as vacinas não tivessem como destino países europeus, o regulador europeu – através das autoridades de supervisão (Países Baixos e Bélgica) – decidiu avançar com a medida preventiva para as doses que forma produzidas ao mesmo tempo.
Comentários