Daimler quer vender fábrica em França para reduzir custos

Com o encerramento da fábrica em França, a produção dos componentes para os motores elétricos passa a ser realizada na China, numa parceria com a Geely.

A fabricante de automóveis Daimler está a tentar vender a fábrica que detém na região de Hambach, em França, como parte de uma reestruturação do sistema de produção, avança a ‘Reuters’ esta sexta-feira, 3 de julho, com base num comunicado da empresa.

Esta revisão, segundo a empresa, deve acontecer ainda este ano e a reestruturação acontece num momento de crise para o mundo automóvel, que está a sofrer de excesso de capacidade devido à quebra de procura e venda de carros.

A ‘Reuters’ aponta que a reestruturação do negócio será acima dos 100 milhões de euros.

A dona da Mercedes-Benz e da Smart utilizava a fábrica em Hambach para produzir motores elétricos e de combustão para os seus veículos de dois lugares da Smart, tendo fabricado mais de 80 mil motores em 2017 para o mesmo número de veículos.

Assim, a empresa vai realocar a produção de França para a China. No ano passado, a Daimler confirmou que a próxima geração de veículos elétricos da gama Smart seriam construídos em parceria com a Geely, depois de assinarem contrato para uma joint-venture. 

Aposta em fabricante de células para baterias

Além da parceria com a Geely, a Daimler vai ainda assumir uma participação de 3% na empresa Farasis, uma fabricante chinesa de células para baterias, num esforço para garantir que a fabricante alemã aumenta a produção de veículos elétricos.

A empresa com sede em Estugarda admitir investir um grande valor, na ordem dos mil milhões de euros, na empresa chinesa e nomear Markus Schäfer, diretor de operações da Mercedes, para o conselho de supervisão da Farasis.

Assim, o investimento ocorre quando as fabricantes europeias continuam fortemente dependentes das empresas asiáticas que produzem baterias para os seus veículos elétricos. Com a aposta na Farasis, a Daimler procura uma nova posição na cadeia de fornecimento dos automóveis.

Esta aposta surge ainda depois da Daimler ter anunciado, em 2018, que iria gastar 20 mil milhões de euros em células para baterias elétricas durante a próxima década, sendo este investimento visto como a introdução da empresa nos veículos elétricos.

Ler mais
Recomendadas

Seis anos depois, BES ainda está em liquidação. Reportou prejuízo de 252 milhões em 2019

Os encargos associados ao passivo existente (que é de 6,5 mil milhões em 2019) provocou um prejuízo no BES, que ainda está em liquidação, de 251,72 milhões de euros. O ativo é de apenas 181 milhões e os créditos reconhecidos somam 5.057 milhões. O BES entregou ao tribunal no dia 31 de julho as respostas às impugnações apresentadas ao reconhecimento dos créditos. Com isto passam seis anos e o BES está longe da liquidação.

BMW regista perdas de 362 milhões de euros no primeiro semestre de 2020

Esta verba representa uma quebra de 82,5% em relação ao período homólogo de 2019. No segundo trimestre, as perdas do grupo automóvel foram de 212 milhões, em comparação com o lucro de 1.480 milhões alcançado no segundo trimestre de 2019.

IMT proíbe circulação de veículos ferroviários sem controlo de velocidade (Convel)

No início desta semana, administração da IP revelou que tem uma solução credível, proposta pela Critical Software. Órgão regulador do setor dos transportes “requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução e, caso viável, a consequente implementação igualmente urgente”.
Comentários