Davidson Kempner vence corrida à carteira de crédito malparado do Novo Banco

O fundo norte-americano bateu o fundo Bain, conquistando a carteira no valor de três mil milhões de euros, avança a Bloomberg. O negócio deverá ficar concluído esta semana. Esta carteira inclui os créditos da Sogema, de Bernardo Moniz da Maia, e da Ongoing, de Nuno Vasconcellos.

A Davidson Kempner venceu a corrida à compra de crédito mal parado do Novo Banco, avança a agência Bloomberg esta quarta-feira, 4 de setembro. O fundo norte-americano bateu assim o fundo Bain nesta corrida.

A agência noticiosa cita fontes com conhecimento do negócio. A venda da carteira de malparado – com o nome de ‘Projeto Nata 2’ – deve ficar concluída esta semana.

A operação conhece assim um desfecho esta semana, depois dos dois fundos norte-americanos terem submetido as suas ofertas pelo ‘Nata 2’ em meados de julho.

Conforme revelou o Jornal Económico em maio, na lista de créditos incobráveis nesta carteira de malparado estão os créditos da Sogema, de Bernardo Moniz da Maia, e da Ongoing, de Nuno Vasconcellos.

O crédito malparado da Sogema tem o valor indicativo de 540 milhões de euros (o que incluirá juros) e os créditos da Ongoing, de Nuno Vasconcellos e Rafael Mora, têm o valor indicativo de 350 milhões de euros, a que acresce 240 milhões em papel comercial da holding que era dona do Diário Económico. Estes são os maiores devedores no portefólio de crédito malparado que o Novo Banco pôs à venda este ano.

O ‘Projeto Nata 2’ conta com 60 a 70 créditos de grandes devedores , dos quais apenas um terço tem colaterais e garantias reais (cerca de 1.000 milhões),enquanto os restantes financiamentos não apresentam quaisquer garantias (unsecured). Cerca de um quinto dos créditos são de empresas fora de Portugal, a maioria em Cabo Verde. A maioria dos créditos representa construção e imobiliário, como escreveu o Jornal Económico em março.

No início de agosto, o Novo Banco anunciou a venda de carteiras de crédito e de malparado por um valor de 795,8 milhões de euros.

Segundo o banco liderado por António Ramalho, a venda da carteira do ‘Projeto Setorius’ tem um valor bruto contabilístico de 487,8 milhões de euros, com a sua venda a representar um desconto de 67,4%, por 159 milhões de euros.

Já a carteira de ativos ‘Projeto Albatroz’ foi vendida à Waterfall Asset Management por 98,7 milhões de euros. Com um valor contabilístico de 308 milhões de euros, foi vendido com um desconto de 67,9%.

 

PremiumNovo Banco vende mil milhões de malparado da Sogema e Ongoing

Ler mais
Relacionadas

PremiumNovo Banco vende mil milhões de malparado da Sogema e Ongoing

Os dois maiores devedores incluídos no pacote de créditos incobráveis que o Novo Banco pôs à venda com o nome de Nata 2, são a Sogema (540 milhões) e a Ongoing (590 milhões).

Novo Banco quer fechar venda de créditos “Projeto Nata 2” até fim de junho

O Novo Banco deu aos potenciais interessados um prazo até ao início de abril para apresentarem as propostas não vinculativas (non-binding offers). O Novo Banco pretende ainda que até ao fim de maio sejam entregues as propostas vinculativas (binding offers), de modo a que seja assinada a venda no fim de junho.

PremiumCerberus dá preço mais alto pelos imóveis do Novo Banco

O Novo Banco está na fase final das negociações com dois candidatos – Cerberus e Bain – para escolher o comprador do portfólio de imóveis conhecido por “Sertorius”.
Recomendadas

Banco de Fomento lança duas novas linhas de apoio à economia no valor de 1.100 milhões de euros

Banco Português de Fomento abre esta segunda-feira as candidaturas para as novas linhas de crédito. A linha de apoio para as empresas exportadoras da indústria e do turismo tem uma dotação global de 1.050 milhões de euros, enquanto a linha de apoio às empresas de montagem de eventos tem uma dotação de 50 milhões de euros.

“É quase inevitável que o crédito malparado comece a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

Lesados do Banif e das sucursais exteriores do BES acusam Governo de violar “o princípio constitucional da igualdade”

A ALEV (Associação de Lesados Emigrantes da Venezuela e África do Sul) e a ABESD – Associaçao de Defesa dos Clientes Bancários vêm falar em “potencial violação do princípio constitucional da igualdade” em reação à notícia de que Governo pode não dar garantia a lesados das sucursais exteriores do BES e aos lesados do Banif.
Comentários