De bestial a persona non grata

BdP e CMVM estão atentos às empresas onde Isabel dos Santos é acionista, mas também é relevante para Portugal que seja garantida a estabilidade dessas mesmas empresas, e falamos de bancos, serviços, telecomunicações e indústria.

Isabel dos Santos foi idolatrada em Portugal por políticos, empresários, gestores e alguma comunicação social. Todos metiam cunhas ao advogado da empresária. Agora passou a persona non grata, com alguns dos próximos a não a reconhecerem ou a serem os principais detratores.

O tema Isabel do Santos é claramente do foro judicial e é aí que tem de ser tratado. Isabel dos Santos tem algumas posições quase indefensáveis, sobretudo nos negócios em que foram os dinheiros públicos a pagar as contas, mas também tem argumentos fortes que a levam a afirmar estar a decorrer uma “caça às bruxas” e ela ser a principal visada. E sem querer tomar partido, porque o assunto é judicial e não político, a engenheira é diferente dos irmãos e dos generais que tiveram idênticas hipóteses, porque também foram favorecidos pela statu quo de domínio da família Dos Santos e não construíram o “império” financeiro e industrial.

A deliberação do Tribunal Provincial de Luanda de arrestar os bens da empresária, e que teve como base as alegadas perdas económicas estimadas no equivalente a mil milhões de euros é o tema para 2020 em Angola, mas também Portugal. E se o Banco de Portugal e a CMVM estão atentos às empresas onde a mesma é acionista, também é relevante para o nosso país que seja garantida a estabilidade dessas mesmas empresas – falamos de bancos, serviços, telecomunicações e indústria. Para já chegou uma carta rogatória a Portugal que impediu a transferência de fundos do BCP para um banco na Rússia. Mas esta é aponta do icebergue de uma gestora que também é estratega e que confia mais na Rússia e no Cazaquistão do que em qualquer outro país.

Isabel dos Santos vai contar a sua versão nos tribunais mas, por enquanto, usa as redes sociais e os meios de comunicação social que pode. E recentemente lembrou que entre a entrada da Sonangol na Galp e os dias de hoje a valorização da petrolífera mais do que duplicou. Claro que não foi apenas pela estratégia mas também pelo demérito do vendedor da altura, os representantes do Estado português.

Onde a situação parece indefensável para o lado da empresária é a relevante ligação ao Estado angolano da altura. Um exemplo aconteceu em Portugal aquando da aquisição da NOS com fundos da CGD. Dificilmente a operação poderia ser feita com outro empresário que não tivesse o pai que Isabel dos Santos tem. Sendo inteligente, educada em Londres, filha de uma russa, o crescimento fez-se muito pelo estatuto de filha de ex-presidente JES. E Portugal, sendo neutro e preocupando-se apenas com a estabilidade das empresas onde a senhora de forma direta e indireta é acionista, beneficiou dos apoios a Isabel dos Santos porque era quase como tratar um assunto Estado-Estado. Mas, frisamos, não será fácil tirar-lhe o “ownership”.

Também é verdade que o Estado angolano, reconhecido internacionalmente, pode arrogar-se a exigir a devolução do que é dos seus contribuintes porque entende que as participações de Isabel dos Santos são participações sociais do Estado angolano. Mais. Há uma última questão que o Estado português deve acautelar: uma coisa é ser um empresário dono de algo, outra coisa é ser um Estado soberano dono do mesmo ativo estratégico.

Recomendadas

Quem regula as redes?

Precisamos de um enquadramento jurídico adequado à realidade das redes sociais, que proteja a liberdade de expressão e que defina claramente quais as situações em que esta pode ser limitada, partindo do princípio de que tais limitações só poderão ter lugar em circunstâncias extraordinárias, dentro das regras do estado de direito e sujeitas às decisões dos tribunais.

O PR que, no fundo, quer ser PM

Durante esta campanha eleitoral, Marcelo demonstrou por duas vezes que não vive bem com os limitados poderes que o nosso sistema semipresidencialista confere ao cargo que ocupa.

Uma campanha triste

À exceção de Marcelo Rebelo de Sousa, a política portuguesa confirma-se completamente refém dos partidos e dos seus líderes.
Comentários