Débito direto: saiba o que fazer em caso de lhe ser retirado dinheiro indevidamente

Caso tenha detetado um débito indevido nas suas contas, saiba que tem sempre a possibilidade de recuperar o seu dinheiro. Basta seguir os seguintes passos.

O débito direto é uma forma rápida e simples que os consumidores têm para pagar as suas contas recorrentes, como água, luz e seguros. Mas, ainda assim, é preciso acompanhar os movimentos da conta para garantir que não é retirado dinheiro de forma indevida da sua conta. Caso isso tenha acontecido, saiba que tem sempre a possibilidade de recuperá-lo.

O que tem de fazer é contactar de imediato a instituição bancária e denunciar o débito proveniente de uma entidade não autorizada por si. De acordo com o Banco de Portugal, tem um prazo de 13 meses para o fazer.

Depois de notificar o seu banco, este deve restituir-lhe a quantia que lhe foi debitada indevidamente, assumindo a responsabilidade pelo débito em causa.

Caso o débito em causa tenha sido validado por si mas o valor debitado esteja errado, deve reclamar junto da entidade prestadora do serviço a quem deu autorização de levantamento.

Nesse caso, tem até 8 semanas após a cobrança para reclamar e exigir a devolução do dinheiro debitado a mais ou o acerto de contas na próxima fatura.

Recomendadas

ASAE apanha talhos a vender carne falsificada e estragada

As principais infrações registadas foram o abate clandestino, a venda de produtos alimentares estragados ou falsificados e a fraude sobre mercadorias, tanto em talhos de rua como em superfícies comerciais.

Medina diz que verdadeiro debate é “se vamos ou não ser capazes de concertar a União Económica e Monetária”

Fernando Medina referiu este sábado que a questão central na Europa é que “o regime monetário não esta resolvido mais de dez anos passados sobre a crise”.

Caixa Geral concedeu crédito de 125 milhões a Isabel dos Santos sem avaliar situação financeira

Caixa concedeu crédito sem avaliar a situação financeira da empresário. Crédito foi criticado pelo Banco de Portugal. Banco era liderado por Fernando Faria de Oliveira em 2009. Fonte próxima da empresária disse que o “crédito está em dia e grande parte já foi amortizado”.
Comentários