Decisões financeiras conscientes: siga estas cinco dicas da Deco

Deco chama a atenção para a importância de uma boa gestão do orçamento familiar, enquanto ferramenta basilar para esse equilíbrio das finanças pessoais.

Promover a Literacia Financeira é impulsionar a tomada de decisões financeiras mais conscientes e esclarecidas dos consumidores.

Esta é sempre a nossa missão, mas em tempos de pandemia provocada pelo Covid-19 esta necessidade é ainda mais evidente. Muitos consumidores estão a reajustar o seu orçamento e a perspetivar que este se manterá reduzido por bastante tempo.

A Deco ambém se adaptou a esta nova realidade. Continuou a prestar informação, aconselhamento e a promover a literacia financeira aos consumidores através de diferentes plataformas digitais, porque a informação é um elemento essencial para conseguir equilibrar a vida financeira.

A gestão do orçamento familiar, enquanto ferramenta basilar para esse equilíbrio das finanças pessoais, o impacto do crédito no orçamento, a organização dos consumos domésticos e a prevenção e informação, como instrumento de promoção de escolhas financeiras acertadas, são conteúdos que o Gabinete de Proteção Financeira da Deco continua a produzir e divulgar.

Consumidores informados são consumidores aptos a realizar escolhas económicas objetivas e adaptadas a sua realidade orçamental. Assim, para ter as suas finanças equilibradas, evitando uma situação de sobre-endividamento, tenha em atenção as regras básicas para uma boa gestão das suas finanças pessoais:

  • Todas as famílias devem elaborar mensalmente o seu orçamento. É uma tarefa fácil e o melhor instrumento de controlo dos rendimentos e das despesas;
  • Recorra ao crédito apenas para antecipar uma compra que lhe seja indispensável e desde que a capacidade financeira do seu agregado o possa suportar. O crédito é uma forma de antecipar rendimentos para efetuar consumos no presente, mas que terá que pagar no futuro;
  • Se decidir recorrer ao crédito, analise a sua situação financeira e avalie se o seu orçamento familiar lhe permite contrair uma dívida. Os encargos mensais com empréstimos não devem ultrapassar os 35% do rendimento mensal disponível;
  • Pesquise, compare e negoceie o seu crédito: Compare a TAE, a TAER ou a TAEG que refletem o custo total do crédito. Quanto mais baixas são estas taxas mais baratos são os créditos;
  • Procure fazer uma pequena poupança. É muito importante que tenha uma poupança (uma reserva) que lhe permita fazer face a algum imprevisto e acautelar o futuro.

Para mais informações ou dúvidas, não hesite em contactar-nos  telefonicamente, para os nºs  213 710 238 /  22 339 19 6 ou por email: gas@deco.pt ou gas.norte@deco.pt. É também possível agendar atendimento via Skype.

Ler mais
Recomendadas

Penhora do reembolso do IRS: em que situações pode ocorrer?

Sabia que pode ser alvo de uma penhora do reembolso do IRS? Esta pode ocorrer não só por ter dívidas às Finanças, como também em situações de incumprimento a qualquer credor público ou privado. Descubra em que ocasiões pode acontecer este tipo de penhora e o que fazer nestas circunstâncias.

Segurança Social com formulário para empresas que queiram desistir do ‘lay-off’

A desistência pode abranger a totalidade do pedido, ou seja, desde o início, ou aplicar-se apenas a partir de data indicada pela entidade empregadora.

Crédito pessoal com problemas bancários. É possível?

O pedido de um crédito pessoal com problemas bancários pode não ser facilitado pelas instituições financeiras, mas nem sempre é negado aos consumidores. Fique a conhecer como é possível pedir um empréstimo nestas condições e como evitar situações de incumprimento.
Comentários