Deco critica Banco de Portugal e pede intervenção política sobre comissões na MB Way

Pedido aos partidos com assento parlamentar deve-se à “inoperância” do supervisor bancário face às mais de 33 mil reclamações que a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor recebeu.

DR

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) solicitou esta segunda-feira a intervenção dos partidos com assento parlamentar em relação à aplicação de pagamentos móveis MB Way.

Perante a “inoperância” do Banco de Portugal (BdP) em relação às mais de 33 mil reclamações que a Deco recebeu dos consumidores. Segundo a associação, o supervisor “continua a ignorar a responsabilidade que lhe incumbe por lei, de zelar pelo cumprimento dos princípios da proporcionalidade, transparência e lealdade em matéria de comissionamento bancário”.

Em causa está cobrança de comissões bancárias pela utilização do serviço desenvolvido pela SIBS. É o caso das seguintes instituições bancárias: BPI (1,20 euros), Caixa Agrícola (25 cêntimos), Millennium bcp (1,20 euros), Santander (90 cêntimos) e Caixa Geral de Depósitos (85 cêntimos).

Assim, a Deco pede agora intervenção política e, “eventualmente”, uma alteração legislativa, de forma a que as comissões associadas à app MB Way “não ultrapassem os limites dos custos imputados aos comerciantes para pagamentos com cartões nos termos definidos pelo Regulamento (UE) 2015/715: 0,2% para os cartões de débito e 0,3% para os cartões de crédito”.

Deco quer que Banco de Portugal tome posição e limite comissões MB Way

Ler mais
Recomendadas

Como usar a aplicação “Calendário” do Windows 10 para organizar a sua vida

O Windows 10 tem uma aplicação de calendário completa e versátil. Veja como a configurar e utilizar.

“O melhor candidato é aquele que o nosso cliente contrata”

Nesta entrevista ao JE, João Maciel diz que o advogado é um “problem solver” e aconselha a ter uma visão realista da profissão. Na hora de recrutar, acrescenta, as sociedades privilegiam a Universidade, a média do curso e as línguas estrangeiras.

Clientes que não queiram prolongar moratórias têm de informar banco até hoje

Os clientes que tenham aderido à moratória ficam automaticamente abrangidos, exceto quando comuniquem ao banco que não o pretendem, tendo para isso de o fazer até este domingo, 20 de setembro.
Comentários