Deco estuda uma ação coletiva contra os bancos condenados pela AdC

O economista da Deco explica que só depois de receberem estes esclarecimentos é que poderão perceber de que modo é que poderão avançar com uma eventual ação em tribunal, contra os bancos

A Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor – está ainda a estudar uma possível ação coletiva em tribunal contra as instituições bancárias que participaram no cartel de concessão de crédito.

A Defesa do Consumidor alerta no entanto que pode ser difícil os clientes conseguirem uma indemnização, avança a RTP.

A Associação de Consumidores vai pedir informação extra à Autoridade da Concorrência para definir o caminho a seguir, noticiou a TSF.

A Deco diz que vai pedir esclarecimentos à Autoridade da Concorrência sobre a condenação de 14 bancos por terem feito um cartel na concessão de créditos, designadamente no crédito à habitação, crédito ao consumo e crédito às empresas. O objetivo da associação é perceber se valerá a pena avançar e de que forma com uma ação coletiva, em nome dos consumidores, contra os bancos para que os clientes sejam ressarcidos dos prejuízos que tiveram.

Nuno Rico, economista da Deco, explica que, desde o anúncio da multa à banca, na segunda-feira, no valor global de 225 milhões de euros, têm estudado a hipótese de avançar com uma ação coletiva contra os bancos para compensarem os consumidores pelos prejuízos que tiveram.

 

Ler mais
Relacionadas

BPI vai recorrer da condenação de 30 milhões de euros da Concorrência

Em comunicado enviado às redações, o BPI “contesta que a alegada troca de informação tenha ocorrido nos moldes alegados na decisão acusatória, em particular, que a informação em causa, pela sua natureza não poderia produzir efeitos anti-concorrenciais e não prejudicou, de modo nenhum, os interesses dos clientes”.

CGD vai recorrer da condenação de 82 milhões de euros imposta pela Concorrência

O banco liderado por Paulo Macedo afirmou ainda que “os tribunais competentes confirmarão a total improcedência e absoluta falta de fundamentação da imputação de irregularidades que lhe é feita”.

BBVA vai pedir nulidade da condenação da Concorrência. Multa ascendeu a 2,5 milhões

A Concorrência multou o BBVA a pagar 2,5 milhões por ter entrado no esquema de prática concertada de troca sensível de informação sobre concessão de crédito a particulares com outros bancos, mas o banco vai pedir a nulidade da condenação.
Recomendadas

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.

BdP: empréstimos às empresas cresceram em outubro

Já quanto aos empréstimos a particulares, o BdP diz ter registado uma variação de 6,9% em outubro, quando em setembro registara uma taxa de variação de 7,2%.

BCE mantém as exigências de capital ao BPI para 2020

Aí estão os requisitos de capital que o BCE impõe ao BPI para 2020 em função da qualidade do seu balanço. Estes requisitos implicam que o patamar mínimo de CET1 a partir do qual o Banco BPI teria restrições, em 2020, às distribuições de dividendos, é de 9.38%. O BPI tem um rácio de capital core de 12,7% a 30 de setembro deste ano.
Comentários