Défice e dívida pública aumentaram na zona euro e UE no último trimestre de 2020

O défice registou um crescimento de 8,0% do Produto Interno Bruto (PIB) na zona euro e 7,5% na União Europeia, enquanto a dívida pública sofreu um aumento de de 98,0% e 90,7%, respetivamente.

O défice na zona euro apresentou um aumento de 8,0% do Produto Interno Bruto (PIB), face aos 6,4% do trimestre anterior. Por sua vez, a União Europeia (UE) viu também o seu défice subir em 7,5%, em comparação com os 6,1% do terceiro trimestre de 2020, de acordo com os dados revelados pelo gabinete de estatística Eurostat esta sexta-feira, 23 de abril.

De acordo com o Eurostat estes aumentos ficaram a dever-se ao crescimento das despesas motivadas pelas políticas dos governos para fazer frente à pandemia de Covid-19. Olhando para o período homólogo, o défice da zona euro subiu 0,9%, enquanto na União Europeia foi de 0,8% no período de outubro a dezembro de 2019.

No que diz respeito à dívida pública, a zona euro observou um aumento de 98,0% do Produto Interno Bruto, num crescimento de 14,1 pontos percentuais (p.p) face aos 83,9% do trimestre entre julho e setembro de 2019 dos 97,2% registados no trimestre anterior do último ano.

Já na União Europeia a dívida pública cresceu para 90,7%, uma ligeira subida de 1,0 p.p dos 89,7% do trimeste anterior e dos 77,5% do período homólogo de 2019. De acordo com o Eurostat, os maiores rácios da dívida pública face PIB foram verificados na Grécia (205,6%), em Itália (155,8%) e Portugal (133,6%), sendo que os menores foram apresentados na Estónia (18,2%), no Luxemburgo (24,9%) e Bulgária (25,0%).

Recomendadas

Notícias sobre a morte do carvão ainda são exageradas

O uso do carvão para a produção de eletricidade está a acabar em Portugal e em declínio no mundo ocidental, mas vai voltar a aumentar na Ásia.

Mais de metade das embalagens de pesticidas por recolher em 2020, alerta Zero

Mais de metade das embalagens de pesticidas ficaram por recolher em 2020, representando cerca de 480 toneladas, alertou este domingo a associação ambientalista Zero em comunicado.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.
Comentários