Deixar falir a TAP? “Poderia deixar”, admite Rui Rio

O presidente do PSD defende que a TAP está “tecnicamente falida” e que por isso é de extrema importância pedir ao Governo um plano de negócios “que ainda não apareceu”.

Flickr/PSD

“A TAP está falida”, começou por afirmar o social-democrata em entrevista à RTP3, emitida esta noite.

“Se está falida, a primeira coisa que tem que exigir é um plano de negócios e de reestruturação para a TAP. Esse plano não apareceu, mas o Governo diz alegremente ‘toma lá mil milhões de euros’. E agora todos nós vamos ficar à espera da próxima fatura porque nem o plano de negócios há”, criticou Rui Rio.

Questionado sobre se deixaria cair a empresa se estivesse sob o seu domínio, o presidente do PSD admite: “Poderia deixar. Poderia deixar”, explica, acrescentando que o plano de negócios é necessário para determinar o futuro da empresa.

O Governo tem o valor “máximo” previsto de 1,2 mil milhões de euros para financiar a TAP através do Orçamento Suplementar. O valor é, segundo o secretário de Estado do Tesouro, o pior cenário previsto. Sem especificar, Álvaro Novo falou que está previsto um “cenário base” de ajuda à TAP e um segundo, mais exigente, em que foi adicionada uma margem sobre o cenário base, que possa fazer face à actual “incerteza do sector da aviação”.

Esta tarde, a TAP anunciou que a empresa vai aderir à retoma progressiva do período normal de trabalho, reduzir o horário laboral entre os 70% e 20% em agosto.

De acordo com o comunicado divulgado pela CMVV, a decisão surge no âmbito do Apoio Extraordinário à Retoma Progressiva que prevê um mecanismo de redução do horário de trabalho para todos os trabalhadores, não estando prevista a figura de suspensão do contrato de trabalho.

“O Conselho de Administração da TAP decidiu que, na TAP, a redução do período normal de trabalho oscilará entre os 70% e os 20%, sendo que todos os colaboradores da TAP serão informados individualmente sobre a modalidade que lhes será aplicada”, lê-se na nota divulgada.

Ler mais
Relacionadas
rui_rio_psd

Rui Rio defende que venda de imóveis feita pelo Novo Banco “teve contornos criminosos”

Líder social-democrata entende as operações de venda de ativos do Novo Banco podem constituir matéria criminal e voltou a pedir ao Ministério Público que investigue o caso até às últimas consequências.

TAP adere ao apoio à retoma progressiva e reduz horário entre 20% a 70%

A decisão surge no âmbito do Apoio Extraordinário à Retoma Progressiva que prevê um mecanismo de redução do horário de trabalho para todos os trabalhadores, não estando prevista a figura de suspensão do contrato de trabalho.

TAP vai contratar consultora de recursos humanos para fazer a “avaliação” dos gestores da empresa

O ministro das Infraestruturas explicou que o objetivo é ficar a conhecer quais as competências e experiência dos gestores da companhia aérea antes do processo de reestruturação.
Recomendadas

Portugal entrega vacinas a Cabo Verde e acelera calendário para lusófonos – Santos Silva

“O nosso compromisso político, que assumimos em fevereiro, de destinar pelo menos 5% das vacinas a que temos direitos ao abrigo da contratação pública europeia, para os países lusófonos africanos e para Timor-Leste, começa a ser cumprida com a antecipação do calendário”, afirmou Augusto Santos Silva.

Autárquicas: Rio diz que eleições deste ano são muito importantes para o PSD

O líder dos sociais-democratas, que falava no Porto na cerimónia descrita em agenda como de apresentação do programa do candidato do PSD a este concelho, garantiu que a direção nacional do partido “empenhou-se a sério na escolha dos candidatos às autarquias, em todas as autarquias sem exceção”, frisando que “um bom candidato não é apenas aquele que é conhecido do grande público porque aparece na televisão”.

PSD quer ouvir António Mendonça Mendes e diretora-geral da AT sobre “ato persecutório” no Fisco

Em causa está a abertura de um inquérito disciplinar ao trabalhador do Fisco que denunciou o “negócio ruinoso” da venda das barragens da EDP no Douro. Os social-democratas consideram que se trata de um “ato de natureza persecutória” e pedem esclarecimentos ao Governo e à Autoridade Tributária e Aduaneira.
Comentários