PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

A Deloitte Portugal tem uma equipa de programadores em ‘casa’ a trabalhar em soluções tecnológicas para a área fiscal e prevê quase duplicar o número de aplicações móveis disponíveis até ao final de 2020. Para automatizar os processos financeiros das empresas, a consultora criou uma série de nove apps, 100% desenvolvidas no país, que estão numa espécie de loja online – Hitax Hub – como se de uma App Store ou Play Store se tratasse. “Sentimos necessidade de prestar serviço ao mercado de forma diferente, o que já não se compagina com homens-horas e com pessoas a executar tarefas”, disse Luís Leon, partner de Tax, ao Jornal Económico (JE). “Aquilo que havia não era suficientemente atrativo para o mercado”, sublinhou Hervé Silva, partner de Consulting Technology, que completa a dupla de rostos por trás deste projeto composto por mais 29 pessoas.

Os clientes podem subscrever o serviço, à moda Netflix das Finanças, mas há um senão: ainda precisam de recorrer aos consultores para o implementar e não podem pagar automaticamente pela internet. “Criámos uma App Store para a realidade fiscal portuguesa. Temos um portal único, de acesso às apps. O conceito é ter ‘n’ apps modelares”, explica Hervé Silva, esclarecendo que cada aplicação responde a uma necessidade específica e funciona per se. A tecnologia é plug and play (utilizar e utilizar) e, mesmo nas demonstrações iniciais, é possível utilizar os dados dos clientes. “Não há aqui aquela lógica habitual de compra de infraestrutura, software, serviços de implementação”, garante ao JE o líder desta equipa de engenheiros informáticos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Fidelidade vai manter serviço de esclarecimento jurídico após críticas de advogados

O Conselho Regional da Ordem dos Advogados disse que a oferta era ilícita, mas a companhia de seguros considera a posição precipitada e esclarece que se insere “no âmbito da cobertura de proteção jurídica disponibilizada por inúmeras seguradoras, em Portugal e no estrangeiro, a milhões de clientes”.

Empresas em ‘lay-off’ têm de pagar duodécimos do subsídio de férias, explicam advogados

O regime de ‘lay-off’ estabelece que a compensação a pagar ao trabalhador corresponde a dois terços da “remuneração normal ilíquida”, mas a lei não define qual o conceito de “retribuição normal”, refere Gabriela Rei.

Fusões e aquisições desaceleraram no primeiro trimestre

Ainda assim, foram movimentados 3,2 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 36% em relação ao mesmo período do ano passado.
Comentários