“Demissão? Só estou na Liga enquanto os clubes quiserem”, admite Pedro Proença

Na origem destes pedidos de demissão de Pedro Proença está o pedido do presidente da Liga de Clubes junto da Presidência da República e do Governo para que os jogos pudessem passar em sinal aberto, uma situação que levou a saída do SL Benfica da direção da Liga.

Presidente da Liga Portugal, Pedro Proença

Pedro Proença, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, admitiu a possibilidade de colocar o seu lugar à disposição dos clubes à saída de um encontro com Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto.

“Demissão? A Liga é dos clubes e o presidente só lá está enquanto os clubes quiserem. O que sei é que se as competições não retomassem, vários clubes podem entrar em insolvência, em sérias dificuldades. Criámos condições para que isso pudesse acontecer”, admitiu o presidente da Liga de Clubes.

Na origem destes pedidos de demissão de Pedro Proença está o pedido do presidente da Liga de Clubes junto da Presidência da República e do Governo para que os jogos pudessem passar em sinal aberto, uma situação que levou a saída do SL Benfica da direção da Liga.

Instado a comentar esta situação, Pedro Proença explicou ao detalhe o que tentou implementar: “O que tentámos potenciar foi que as entidades governamentais pudessem injetar dinheiro nos canais generalistas, que estes pudessem adquirir conteúdos dos operadores e que os operadores pudessem ser ressarcidos das perdas que tiveram durante dois meses e que pudessem pagar aos clubes para fechar o ciclo”, esclareceu o dirigente.

Para Pedro Proença, esta solução visava “evitar a aglomeração de pessoas à volta dos estádios e que pudéssemos proporcionar aos portugueses a visualização dos jogos”.

 

Ler mais
Recomendadas

Andebol, basquetebol, futsal, patinagem e voleibol regressam no dia 22 de agosto

As respetivas federações estiveram hoje reunidas, por videoconferência, com representantes da Direção-Geral da Saúde (DGS) e da Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto a “finalizar a análise ao Protocolo Orientador de Regresso aos Treinos e Competições – Covid-19”, que permita consumar as pretensões destas modalidades.

Sem britânicos para jogar golfe, turismo português vai perder mais de 1000 milhões de euros. Veja o “Jogo Económico”

Nesta indústria, estima-se um impacto de 135 milhões de euros mas se alargarmos essas perdas para hotelaria e restauração, estes 135 milhões de euros de prejuízo terão de ser multiplicados por dez. Para esta reflexão, contamos com a presença de Luís Correia da Silva, presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe.

Fernando Gomes reeleito para terceiro e último mandato na FPF

Aos 68 anos, Fernando Gomes foi reeleito pela terceira vez para o cargo, para um mandato até 2024, pela segunda vez sem oposição, depois de ter vencido as eleições de 2011 frente a Carlos Marta.
Comentários