Demografia, digitalização da economia e alterações climáticas são as “três mega-tendências na próxima década”

Para o secretário de Estado do Planeamento, José Mendes, há três tendências que vão marcar a próxima tendência. “São três mega-tendências que  vão condicionar as opções para a próxima década e para as quais deve haver resposta.

Cristina Bernardo

Para o secretário de Estado do Planeamento, José Mendes, há três tendências que vão marcar a próxima tendência. “São três mega-tendências que  vão condicionar as opções para a próxima década e para as quais deve haver resposta”, disse o secretário de Estado, esta quinta-feira, durante o seu discurso que abriu a conferência do Portugal Financial Forum, “2020 – O início da década da disrupção: desafios e oportunidades da economia nos próximos dez anos”, que se realizou no no campus da Nova SBE em Carcavelos, e da qual o Jornal Económico é media partner.

José Mendes começou por identificar a demografia, “que tem associada a desigualdade”. “Mais mil milhões de pessoas vão aparecer na próxima década, dos quais  300 milhões vêm do segmento acima dos 65 anos”, referiu o secretário de Estado.

A consequência desta situação é a desigualdade, “porque não há sistema económico capaz de absorver em tempo útil o acréscimo demográfico em tão pouco tempo”, explicou José Gomes. “Isto gera migrações e gera desigualdade. As 85 pessoas mais ricas do mundo têm a mesma riqueza do que os 3,5 mil milhões de pessoas mais pobres”, vincou o secretário de Estado.

Associado ao tema das migrações, estão outros fenómenos que se aproveitam dos fluxos migratórios, como o terrorismo. E, segundo José Mendes, estes riscos associados não permitem que “o sistema não possa fluir”.

Uma das respostas passa por dar “espaço à economia e inovação social”, do qual o programa Portugal Inovação Social constitui um exemplo. “É um laboratório de ensaio para as políticas que temos de fazer para frente”, disse o secretário de Estado.

Outra é resposta, de cariz internacional, é a possibilidade de serem aprovados protocolos “para gerir os fluxos migratórios”, realçou José Gomes.

A segunda grande tendência prende-se com o digital, “que vai invadir o físico”, revelou José Gomes. “90% dos dados que existem no mundo foram criados nos últimos 2 anos e menos de 1% são tratados”.

Segundo o secretário de Estado do Planeamento, vão acontecer duas coisas com esta invasão. Ao nível do serviço, “vão generalizar-se os modelos que fazem matching entre a procura e a oferta em tempo real, como o modelo Uber”, explicou José Mendes. “É a ‘uberização’ dos serviços”.

E, ao nível do produto, o secretário de Estado referiu que vamos deixar de sentir de comprar um novo produto físico, mas sim vamos passar a utilizar o digital para o melhorar. Por exemplo, no futuro, quando um consumidor precisar de melhorar os serviços de um automóvel, não terá de comprar um carro novo. Em alternativa, fará “o download do software” e terá “um carro novo sem ter de comprar um carro novo”, explicou José Gomes.

“O digital vai entrar em todas as estruturas físicas, vai entrar na educação, nas infraestruturas”, realçou o secretário de Estado do Planeamento, o que terá um grande impacto na economia.

A terceira tendência identificada consistiu nas alterações climáticas. “Desde o ano 2000 temos batidos recordes nas temperaturas, cada vez mais altas, e nos fenómenos atmosféricos cada vez mais frequentes. O clima está descontrolado”, frisou José Mendes.

Uma das respostas em cima da mesa para fazer face aos impactos económicos e ambientais por efeito das alterações climáticas prende-se com taxação carbónica transfronteiriça que, no entanto, encerra um problema.

“Se começarmos a carregar muitos em impostos ambientais, a produção é deslocada. Os produtos podem ser produzidos em geografias onde têm uma intensidade carbónica em geografias muito superior àquelas que teriam na Europa. Por isso, pode fazer-se taxação transfronteiriça. É fundamental, mas é difícil porque altera as regras de jogo comerciais entre os Estados. Quando se cria uma taxa destas, há retaliação. Isto pode abrir guerras comerciais e, no fim do dia, o que era uma boa ideia, pode acabar numa guerra comercial”, concluiu o secretário de Estado do Planeamento.

Ler mais
Relacionadas

Portugal Financial Fórum debate desafios e oportunidades da economia da próxima década em conferência na Nova SBE

A próxima década vai alterar o paradigma económico atua à medida que as novas tecnologias, algumas das quais já em uso, são adotadas ou se tornam mais maduras. Novas profissões vão surgir e o diversas tecnologias, como o 5G, a tecnologia quantum e a inteligência artificial vão transformar o modo como as pessoas interagem entre si, as instituições e as máquinas.
Recomendadas

PremiumBanca deve garantir que intermediários prestam bons serviços

“Uma estrutura mais ágil e enxuta, com menos custos, acaba por não ter esta estrutura a que a regulamentação dos sistemas financeiros obriga”, afirma o presidente do Montepio Crédito.
joão_barros_pagaqui_30_3

Pagaqui vai permitir que clientes paguem o café com bitcoins

“O contrato está assinado e vai ser operacionalizado durante o mês de janeiro”, afirmou João Barros, CEO da empresa portuguesa de pagamentos, no ciclo de conversas “30’ a 3”, promovido pelo Montepio Crédito e pelo Jornal Económico.
pedro_gouveia_alves_montepio_30_3

Presidente do Montepio Crédito diz que maior desafio das fintechs surge dos meios de pagamento

“Não será muito fácil a uma multinacional fintech em Portugal operar soluções de crédito para consumidores, uma vez que tem de preencher um conjunto de requisitos regulamentares que, do ponto de vista de desenvolvimento e análise do risco, são pesados”, defende Pedro Gouveia Alves.
Comentários