Dentistas já podem reabrir consultórios a partir de segunda-feira, mas com restrições na atividade

A DGS sustenta que as medidas adicionais criadas para estes profissionais “devem ser tomadas para assegurar uma minimização da transmissão deste vírus”, uma que vez estes gabinetes se podem tornar numa “potencial fonte de transmissão”.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) revelou na passada sexta-feira, 1 de maio, as medidas que as clínicas, consultórios e serviços de saúde oral dos cuidados de saúde primários devem adotar caso pretendam abrir a atividade já na próxima segunda-feira, 4 de maio. Estas medidas, que apresentam restrições, é válida para o setor social e privado e entram em vigor a partir da meia-noite do dia 3 de maio.

Tendo em conta que “o exercício do profissional de saúde oral exige uma grande proximidade com o utente, expondo-o a gotículas respiratórias e aerossóis que podem ser criados durante os procedimentos clínicos”, a DGS sustenta que as medidas adicionais criadas para estes profissionais “devem ser tomadas para assegurar uma minimização da transmissão deste vírus”, uma que vez estes gabinetes se podem tornar numa “potencial fonte de transmissão”.

De acordo com as orientações da DGS, “não deve ser realizado nenhum atendimento presencial sem um prévio contacto por via remota”, seja este por telefone ou e-mail. Também o plano de contingência Covid-19 deve ser atualizado, “com discriminação dos procedimentos específicos atribuídos a cada profissional trabalhador na clínica e como será a sua substituição caso alguém fique doente”.

“Todos os profissionais devem ter a formação/informação necessária para agir de acordo com o plano de contingência”, esclarece a orientação da DGS.

Para que os consultórios dentistas consigam abrir e diminuir a quebra de rendimentos que verificaram, a entidade liderada por Graça Freitas apontou orientações que permitam uma “triagem prévia à consulta”, onde se verifica a temperatura dos utentes, procedimentos que devem acontecer antes, durante e após a consulta, bem como todos os processos de limpeza entre clientes.

Assim, caso as clínicas verificarem a existência de sintomas sugestivos de infeção, a consulta não pode ser realizada. Também a utilização de máscaras por parte dos utentes nas clínicas passa a ser obrigatória e caso o utente não tenha uma consigo, esta deve ser fornecida no local.

Ler mais
Relacionadas

Ordem dos Médicos Dentistas diz que apoio a sócios-gerentes vai “no bom sentido, mas não é ainda suficiente”

Grande parte destes profissionais de saúde estava a descoberto nas medidas conhecidas até aqui. Ordem defende, contudo, que “é insuficiente” alargamento dos apoios do Governo a sócios-gerentes sem trabalhadores a cargo. E alerta para necessidade de criação de outros mecanismos específicos de apoio à reabilitação pós-pandemia à medicina dentária.

Covid-19: Ordem dos Dentistas diz que Presidente compreendeu exigências do setor

o líder da Ordem dos Médicos Dentistas frisou que Marcelo Rebelo de Sousa “estava profundamente conhecedor da realidade pela qual está a passar a medicina dentária”, que viu a sua atividade ser suspensa pelo Governo em 15 de março face à propagação do novo coronavírus, e reiterou a necessidade de haver uma proteção transitória.

Covid-19. Ordem dos Dentistas exige medidas para compensar profissionais liberais

Para compensar estes profissionais, o bastonário defendeu uma medida de compensação mensal para os trabalhadores independentes que tenha, como média, rendimentos do ano de 2019 ou os seis meses mais recentes que possa respeitar o mínimo de 635 euros e o máximo de 1.905 euros.

Dentistas vão continuar fechados até ao fim do Estado de Emergência

O Governo justifica a manutenção do encerramento porque “as atividades de medicina dentária, estomatologia e odontologia, bem como demais cuidados de saúde oral, pela sua natureza, implicam o contacto direto, próximo e demorado entre o profissional de saúde e o paciente, circunstância que representa risco acrescido de contágio”.
Recomendadas

Estudo revela que três em cada dez startups do Porto correm o risco de fechar

O relatório “Impacto da Covid-19 nas Startups do Porto”, elaborado pela Porto Digital, FES Agency e Aliados Consulting, revela que 31,7% das startups têm até três meses de capital disponível.

PremiumMontepio Crédito defende CFEI para capitalizar empresas

Pedro Gouveia Alves realça que este instrumento de crédito fiscal já deu provas positivas em 2014. Autonomia financeira do setor ronda apenas os 20%.

PremiumProibição dos festivais até ao final de setembro “é uma catástrofe para centenas de empresas”

Todos os serviços que estão integrados na realização de um festival musical estão a ser afetados pela lei que proíbe a realização desse tipo de eventos.
Comentários