Dependência energética nacional diminui 2,2 pontos para 73,5% em 2018

O aumento de 11,8% da produção de energia renovável em 2018 deveu-se ao aumento de 110,2% da energia de origem hídrica, segundo o INE.

A dependência energética nacional foi de 73,5% em 2018, o que representa uma descida de 2,2 pontos percentuais face ao ano anterior, divulgou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com a Conta de Fluxos Físicos de Energia 2018, divulgada pelo INE, Portugal diminuiu em 2,2 pontos percentuais a sua dependência energética – rácio entre as importações líquidas de energia e a utilização interna de energia-, que foi de 73,5% no ano em análise.

Também as exportações de fluxos energéticos registaram uma diminuição de 14,4%, em 2018, após três anos consecutivos de crescimento.

Segundo o INE, esta evolução reflete a diminuição das exportações de produtos petrolíferos, que caiu 16,8% naquele ano, designadamente o gasóleo rodoviário, que sofreu uma quebra de 36,7%.

Por outro lado, registou-se um aumento das exportações de energia elétrica.

Já as utilizações energéticas mais relevantes para as emissões associadas à produção e distribuição de eletricidade apresentaram, em 2018, uma diminuição de 13,4%, que se justifica pelo aumento da produção de energia através de fontes renováveis e o consequente menor recurso a combustíveis fósseis para a produção de eletricidade (diminuição de 17,1% e 13,9% nas utilizações de carvão e de gás natural, respetivamente).

Em 2018, acrescenta o INE, observou-se uma diminuição de 5,1% no total daquelas emissões, face ao ano anterior, que foi superior à diminuição da utilização interna de energia (-3,5%).

O aumento de 11,8% da produção de energia renovável em 2018 deveu-se ao aumento de 110,2% da energia de origem hídrica.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários