Depois da Cuf, Luz Saúde volta atrás e mantém convenções com a ADSE

Depois do grupo José de Mello Saúde, a Luz Saúde anunciou que já não vai suspender as convenções com a ADSE.

Os beneficiários da ADSE vão continuar a manter as atuais condições de acesso aos hospitais e clínicas da Luz Saúde. Afinal o grupo não vai suspender os acordos com este sistema a partir do dia 15 de abril, como foi anunciado em fevereiro.

O grupo José de Mello Saúde, que detém as unidades Cuf, já tinha anunciado a mesma decisão esta quarta-feira, 13 de março.

No comunicado aos beneficiários, a Luz Saúde declara que “face à vontade expressa pelo Conselho Diretivo da ADSE, que se perceciona como genuína, para reiniciar negociações com a Luz Saúde com vista à reformulação das convenções, a Comissão Executiva do Grupo Luz Saúde decidiu retomar as marcações, sem restrições de datas, dos serviços prestados ao abrigo das convenções celebradas com a ADSE, enquanto estiver a decorrer o período de negociações”.

Embora tenha cancelado a suspensão, a Luz Saúde deu à ADSE um prazo, até meados de abril, para que o este sistema “apresente proposta de nova tabela”, para que não aconteça o mesmo que anteriormente. A decisão de voltar atrás surgiu porque, segundo o Jornal de Negócios, a “ADSE garantiu aos privados que as regularizações, através das quais corrige faturações passadas, vão acabar em 2019”

“Perante a expectativa fundada nos entendimentos já alcançados nas últimas semanas de que será possível assinar, num curto espaço de tempo, um Memorando de Entendimento que regule o processo de negociação e que, em consequência, a ADSE apresente até meados de abril uma proposta de nova tabela, entendemos que negociações justas e equilibradas não deverão realizar-se num contexto de condicionamento de qualquer uma das partes”, refere a empresa liderada por Isabel Vaz.

É esclarecido que “os beneficiários da ADSE podem continuar a recorrer à rede de hospitais e clínicas Hospital da Luz ao abrigo do regime convencionado com a ADSE e proceder a marcações sem qualquer constrangimento, incluindo para datas posteriores a 15 de abril de 2019”, altura para que estava previsto o fim do acordo.

A Comissão Executiva do Luz Saúde assume “como sempre, o compromisso com os beneficiários da ADSE de avançar para esta nova fase de negociações com total boa-fé, tendo em vista a obtenção de um acordo que assegure a sustentabilidade de todas as partes e o melhor interesse dos beneficiários”.

A Luz Saúde refere que todas as marcações efetuadas ao abrigo do novo plano criado para os beneficiários da ADSE, “serão realizadas ao abrigo do regime convencionado”. Desta forma, o grupo anuncia que tudo se vai manter igual.

Ler mais
Relacionadas

Volte-face. Hospitais Cuf vão manter acordos com ADSE

O grupo José de Mello Saúde tinha previsto suspensão a partir de 12 de abril. Mas afinal, os beneficiários da ADSE vão poder fazer novamente marcações nas unidades Cuf após esta data e usufruir das atuais condições de acesso.

Relatório secreto entregue ao Governo alerta que ADSE pode estar em risco em 2021

A ADSE pode estar em risco já a partir de 2021, segundo um relatório secreto entregue ao Governo divulgado pelo Diário de Notícias.

ADSE: Novas tabelas devem ser publicadas com ou sem acordo, defende João Proença

Em audição na comissão parlamentar de saúde, realizada a pedido BE e do PSD, sobre a situação atual da ADSE, João Proença reafirmou que é fundamental que as novas tabelas de preços, tanto para o regime livre como para o convencionado, sejam publicadas.
Recomendadas

SNS gasta 2 milhões a enviar para o estrangeiro doentes que Santa Marta podia operar

Hospital de Santa Marta investe em formação para poder operar doentes com hipertensão pulmonar tromboembólica. No entanto, ainda não foi reconhecido como centro de referência, o que obriga o SNS a enviar doentes para o Reino Unido.

Associação Portuguesa de Hospitalização Privada defende “orçamentação plurianual” para a Saúde

O presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar, defendeu hoje que a Saúde deve ter uma “orçamentação plurianual” e que a lei de meios da Saúde deve indicar quais são as fontes de financiamento disponíveis.

Ministra da Saúde diz que Lei de Bases da Saúde está nas mãos dos grupos parlamentares

“O Governo entregou a sua proposta de Lei de Bases à Assembleia da República em dezembro e , neste momento, o trabalho que se faz é um trabalho que envolve os grupos parlamentares”, declarou hoje Marta Temido. Poucos minutos antes, Marcelo Rebelo de Sousa afirmara que este “não é o momento ideal” para discutir a Lei de Bases da Saúde.
Comentários