Depois de 30 anos de relação fiscal, Irlanda pode divorciar-se da Apple

A demora na cobrança de 13 mil milhões de euros em impostos pela Irlanda à Apple foi criticada pela Comissão Europeia e poderá ter aberto uma cisão entre o país e a empresa.

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, e o CEO da Apple, Tim Cook, reuniram-se esta quinta-feira para decidir se o país e a empresa continuam a trabalhar juntos, mantendo assim uma relação que dura já há 30 anos. Em causa está a pressão que a Comissão Europeia tem exercido para que a Irlanda abandone o acordo fiscal especial oferecido à empresa.

A aliança começou a parecer menos estável depois de Varadkar ter culpado a Apple pelos atrasos na cobrança de cerca de 13 mil milhões de euros em impostos, sendo que a Comissão Europeia processou a Irlanda em outubro por não ter cobrado o montante suficientemente depressa.

O primeiro-ministro garantiu não querer entrar em conflito com a empresa. “Não queremos estar numa situação em que o governo irlandês tem de levar Apple a tribunal porque a Comissão leva por sua vez o governo irlandês a tribunal”, disse Varadkar aos deputados em Dublin, citado pelo El Economista. “Penso que essa mensagem é clara”.

Apesar disso, a intervenção sugere que a relação, que dura há mais de três décadas, poderá estar com problemas. Além da questão dos impostos, a Apple apresentou há dois anos um plano de construção de um centro de análise de dados, com um investimento de mil milhões de euros. Segundo a tecnológica, este seria um dos seus maiores investimentos de sempre na Europa Ocidental, mas continua por concretizar devido a problemas relacionados com licenças.

Recomendadas

Lucro da Sony cresce 9% para 1,31 mil milhões de euros entre abril e junho

A Sony subiu também as previsões para todo o ano fiscal, antecipando um lucro líquido de 700 mil milhões de ienes (5.400 milhões de euros).

Feedzai compra tecnologia biométrica para prevenir fraudes através de mudanças de comportamento (com áudio)

Plataforma adquirida é capaz de analisar “diferenças que encontramos na forma como alguém segura o telefone, a rapidez com que navega numa aplicação bancária ou a forma como digita a sua palavra-passe e prevemos se uma determinada sessão é ou não confiável”.

Reino Unido pondera travar compra de empresa de ‘chips’ pela Nvidia

Segundo a Bloomberg, a intenção da tecnológica norte-americana adquirir aquele negócio da Arm, que é propriedade do grupo japonês SoftBank Group Corp., resulta da sua vontade de se expandir no mercado cada vez mais importante dos semicondutores.
Comentários