Depois de Lisboa, Hostmaker lança filial em Banguecoque

Com a expansão para o continente asiático, a empresa espera ajudar os 22 milhões de visitantes anuais em Banguecoque, bem como a crescente população global.

Fruto do seu plano de expansão, potenciado por uma ronda de financiamento de 15 milhões de dólares (cerca de 13 milhões de euros), a Hostmaker, especialista em gestão de alojamento local na Europa, acaba de anunciar a sua chegada ao mercado asiático, mais precisamente a Banguecoque, a cidade mais visitada do mundo.

Este é o sexto escritório da Hostmaker, que passa agora a oferecer serviços de gestão hoteleira em Londres, Paris, Roma, Barcelona, Lisboa, Cannes, Florença e Madrid. tendo já realizado mais de 150 mil serviços em toda a Europa, crescendo a uma taxa de 400% a cada ano.

Sobre este lançamento, Nakul Sharma – fundador e CEO da Hostmaker, frisando que com o recente lançamento em Lisboa e agora em Banguecoque não poderiam estar mais “entusiasmados e otimistas” em relação ao futuro da empresa. Segundo o responsável segue-se agora a fase de receção de candidaturas e de formação da equipa, sempre atenta à construção de seu portefólio de residências, desde investidores imobiliários, proprietários de imóveis e anfitriões mais casuais, que procuram arrendar o seu imóvel enquanto vão de férias.

Com a expansão para o continente asiático, a empresa espera ajudar os 22 milhões de visitantes anuais em Banguecoque, bem como a crescente população global, ao trazer um novo modelo de arrendamento para o mercado tailandês, após o sucesso na Europa.

Recorde-se que a Hostmaker foi fundada em 2014 pelo empresário Nakul Sharma, que pretendia eliminar o incómodo para os proprietários de terem que gerir os arrendamentos turísticos. Juntamente com equipas de limpeza, com experiência profissional em hotéis de cinco estrelas, fotografia profissional, avaliações diárias de preços e relacionamento com os hóspedes, a startup também facilita a listagem e a comercialização de imóveis em plataformas como Airbnb, Booking.com, TripAdvisor, entre outras.

 

Ler mais
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Grupo Os Mosqueteiros investe 25,3 milhões para abrir mais seis lojas Intermarché em Portugal

Este investimento irá permitir a criação de 265 novos postos de trabalho de norte a sul do país, asseguram os responsáveis do grupo francês de distribuição.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.
Comentários