Depois de Lisboa, Hostmaker lança filial em Banguecoque

Com a expansão para o continente asiático, a empresa espera ajudar os 22 milhões de visitantes anuais em Banguecoque, bem como a crescente população global.

Fruto do seu plano de expansão, potenciado por uma ronda de financiamento de 15 milhões de dólares (cerca de 13 milhões de euros), a Hostmaker, especialista em gestão de alojamento local na Europa, acaba de anunciar a sua chegada ao mercado asiático, mais precisamente a Banguecoque, a cidade mais visitada do mundo.

Este é o sexto escritório da Hostmaker, que passa agora a oferecer serviços de gestão hoteleira em Londres, Paris, Roma, Barcelona, Lisboa, Cannes, Florença e Madrid. tendo já realizado mais de 150 mil serviços em toda a Europa, crescendo a uma taxa de 400% a cada ano.

Sobre este lançamento, Nakul Sharma – fundador e CEO da Hostmaker, frisando que com o recente lançamento em Lisboa e agora em Banguecoque não poderiam estar mais “entusiasmados e otimistas” em relação ao futuro da empresa. Segundo o responsável segue-se agora a fase de receção de candidaturas e de formação da equipa, sempre atenta à construção de seu portefólio de residências, desde investidores imobiliários, proprietários de imóveis e anfitriões mais casuais, que procuram arrendar o seu imóvel enquanto vão de férias.

Com a expansão para o continente asiático, a empresa espera ajudar os 22 milhões de visitantes anuais em Banguecoque, bem como a crescente população global, ao trazer um novo modelo de arrendamento para o mercado tailandês, após o sucesso na Europa.

Recorde-se que a Hostmaker foi fundada em 2014 pelo empresário Nakul Sharma, que pretendia eliminar o incómodo para os proprietários de terem que gerir os arrendamentos turísticos. Juntamente com equipas de limpeza, com experiência profissional em hotéis de cinco estrelas, fotografia profissional, avaliações diárias de preços e relacionamento com os hóspedes, a startup também facilita a listagem e a comercialização de imóveis em plataformas como Airbnb, Booking.com, TripAdvisor, entre outras.

 

Ler mais
Recomendadas

CGD, Santander Totta, BPI e BCP fecham 2018 com menos 1.071 trabalhadores e 254 balcões

Os quatro bancos que já apresentaram contas e dados relativos a 2018 passaram de 27.221 trabalhadores em 2017 para 26.150 em 2018.

Bancos que apresentaram contas de 2018 aumentaram lucros em mais de 1.100 milhões

Os bancos em causa são a Caixa Geral de Depósitos (CGD), o Santander Totta, o BPI e o BCP. De fora destas contas ficam o Banco Montepio e o Novo Banco, que ainda não apresentaram contas relativas ao ano passado.

Maiores bancos desfizeram-se de pelo menos 5.719 milhões em crédito malparado em 2018

Os bancos alienam carteiras de crédito malparado para melhorarem os seus balanços e também cumprirem as exigências de reguladores e supervisores bancários, que consideram que estes ativos ‘tóxicos’ são a principal fragilidade do sistema bancário português.
Comentários