Depósitos bancários atingem mais de 255 mil milhões de euros no primeiro semestre

Na “Síntese de Indicadores do Sector Bancário”, a APB salienta também “o esforço que continua a ser prosseguido pelos bancos nacionais na redução dos ativos não produtivos”.

Leonhard Foeger/Reuters

No primeiro semestre deste ano, o setor bancário em Portugal registou um aumento de 2,2% dos depósitos de clientes junto do setor bancário, para os 255,1 mil mihões de euros, segundo a “Síntese de Indicadores do Sector Bancário”, divulgada esta sexta-feira pela Associação Portuguesa de Bancos (APB), que tem como referência os dados divulgados pelo Banco de Portugal.

Em destaque nesta síntese está igualmente a rentabilidade do setor, a qual registou “melhorias significativas”, com os bancos a atingirem resultados líquidos positivos superiores a mil milhões de euros nos primeiros seis meses do ano, de acordo com a mesma nota da associção de bancos.

Desta análise, a APB salienta também  “o esforço que continua a ser prosseguido pelos bancos nacionais na redução dos ativos não produtivos (NPLs)”. No primeiro semestre do ano, o rácio de malparado diminuiu para os 11,7%, e durante este mesmo período, o setor bancário português reduziu em 4,6 mil milhões de euros o valor bruto destes ativos, que se situa agora nos 32,4 mil milhões de euros. Face ao valor máximo atingido em junho de 2016, o montante total de NPLs  reduziu-se em 18,1 mil milhões de euros.

Relacionadas

Novo crédito ao consumo dispara para valor mais alto em 14 anos

De acordo com os dados disponíveis na página do BdP, em agosto os bancos concederam empréstimos ao consumo no valor de 404 milhões de euros, o valor mais alto para este mês desde 2003 (limite inferior da série).

Concessão de crédito para compra de casa abranda para 810 milhões de euros de julho para agosto

Os empréstimos concedidos pelos bancos para habitação totalizaram 810 milhões de euros em agosto, com juros médios mais baixos, no segundo mês desde a entrada em vigor das novas regras do Banco de Portugal (BdP), foi hoje divulgado.

Gastar menos e investir com ganhos: descubra os simuladores para fazer as melhores escolhas

Numa economia de salários limitados, saber onde cortar na despesa e aumentar os rendimentos dos investimento ganha relevância especial. Todos gostaríamos de ter uma vida mais desafogada, mas isso envolve saber onde procurar informação para reduzir os custos e maximizar o retorno.
Recomendadas

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.

BNI Europa estabelece parceria com empresa alemã para concretizar a implementação da Diretiva de Serviços de Pagamento

Esta cooperação é um marco para o futuro desenvolvimento do Open Banking na Europa e o próximo passo no crescimento do Banco BNI Europa, diz o banco.

Natixis registou resultado líquido de 1,6 mil milhões de euros em 2018

A Natixis alcançou 12,0% de RoTE (Return on tangible equity) subjacente (13,9% ajustado) face a 12,3% em 2017, anuncia o banco francês. O RoE (return-on-equity, rendimento sobre o capital) subjacente dos negócios atingiu 13,7% (15,1% ajustado), face a 13,8% em 2017.
Comentários