Deputado Miguel Matos candidato único à liderança da Juventude Socialista

O deputado do PS Miguel Matos anuncia este domingo a sua candidatura à liderança da Juventude Socialista (JS), não tendo oposição interna para o congresso desta organização, que se realizará entre 11 e 13 de dezembro.

Miguel Matos, de 26 anos, é o mais jovem dos 230 deputados da Assembleia da República e vai suceder a Maria Begonha, atual vice-presidente da bancada socialista, no cargo de secretário-geral da JS.

Licenciado em Ciência Política, Economia e Filosofia pela Universidade de Warwick (Reino Unido), com mestrado em economia pela Nova SBE, Miguel Matos foi assessor económico do primeiro-ministro, António Costa, entre 2017 e 2019.

Na Assembleia da República, faz parte das comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e de Ambiente e Energia, sendo atualmente líder da JS na Federação de Lisboa.

Em termos de percurso político, Miguel Matos apoiou Duarte Cordeiro na corrida à presidência da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) do PS e esteve ao lado de António Costa contra António José Seguro nas eleições primárias de setembro de 2014 neste partido.

Miguel Matos integrou pela primeira vez o Secretariado Nacional da JS sob a liderança de Pedro Delgado Alves, em 2010, quando tinha apenas 16 anos.

Em termos programáticos, no plano político, além da resposta à atual crise económica e social e do combate às alterações climáticas, Miguel Matos tem assumido com principal objetivo fazer com que as juventudes partidárias sejam cada vez mais a voz das mais jovens gerações.

Outra preocupação do deputado socialista passa pela responda “à pandemia silenciosa que ataca a saúde mental”.

Ler mais
Recomendadas

“É preciso esforço grande agora para salvar o Natal”, diz Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros apontou hoje que se impõe “um esforço muito grande” para travar a propagação do coronavírus ” para salvar o Natal” das famílias dos cerca de 5 milhões de portugueses e lusodescendentes no estrangeiro.

OE2021: Costa diz que aprovação na generalidade é “passo importante” para garantir “um bom orçamento”

O primeiro-ministro, António Costa, reiterou que este é um orçamento que aposta no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e na proteção social e mostrou-se disponível para acolher propostas dos partidos na especialidade.

OE2021 aprovado na generalidade com abstenção do PCP, PAN, PEV e das deputadas não-inscritas

Sem surpresas face àquilo que já tinha sido pré-anunciado, a proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano recebeu os votos contra do PSD, CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal, bem como da bancada do Bloco de Esquerda.
Comentários