Descubra os dez produtos finalistas que prometem revolucionar o setor agroalimentar português

O vencedor será conhecido a 21 de maio, numa cerimónia que decorrerá no Centro de Congressos da Alfândega do Porto.

Nuno Miguel Silva

Prefere húmus com sabor a fumeiro, palitos de feijão e bolacha com farinha de ‘tempeh’ de chícharo, cebola e erva ou está mais virado para umas bolachas com recheio de mel e avelã?

Pensando melhor, talvez opte por granola com ‘dreche’ ou por umas panquecas saudáveis, seguidas de uma sobremesa que renova o sabor e o saber tradicionais.

Isto, se não hesitar por um hambúrguer 100% vegetariano ou por uma conserva de salmão em molho escabeche.

Estes são alguns dos exemplos da lista de finalistas dos projetos concorrentes à 3ª edição do ‘Ecotrophelia’, uma iniciativa da PortugalFoods, fileira do setor agroalimentar nacional, que promove a eco-inovação, o empreendedorismo e a competitividade do setor.

Entre os dez produtos agroalimentares finalistas do ‘Ecotrophelia 2019’ está também uma farinha à base de frutos secos.

A iniciativa é promovida pela PortugalFoods, e conta este ano com o alto patrocínio da Presidência da República.

Este ano, o galardão teve 20 produtos a concurso, de dez diferentes categorias, envolvendo 11 instituições do ensino superior.

Segundo um comunicado da organização, o júri, presidido por Vergílio Folhadela, do Grupo RAR, e composto por profissionais de diferentes áreas do setor, “escolheu os dez finalistas tendo em conta critérios como inovação de produto, sustentabilidade, embalagem, propriedades organoléticas, credibilidade de mercado, entre outros”.

“Voltámos a superar o número de candidaturas, o que expressa um empenho e motivação cada vez maiores por parte das instituições de ensino e dos estudantes em oferecer soluções inovadoras e mais sustentáveis para o setor. Estes jovens têm no ‘Ecotrophelia’ a oportunidade de aplicar as suas competências e talento num projeto concreto, de cariz prático, orientado para o consumidor, que podem validar e partilhar junto de profissionais do agroalimentar, o que lhes abre portas para o seu futuro. Apesar de esta ser apenas a terceira edição do prémio em Portugal, já temos casos de sucesso de ideias que foram lançadas nesta iniciativa e que chegarão em breve ao mercado, o que reforça a importância deste prémio”, refere Carla Teixeira, da PortugalFoods.

Segue-se agora uma nova fase de avaliação na competição nacional por parte do júri: com o presidente Vergílio Folhadela (RAR Holding), Ana Silva (Sonae), Fátima Carvalho (Grupo Primor), Frederico Pinto (GlobalData), Helena Real (APN), João Lima (INIAV), Miguel Cerqueira (INL), Maria Ferreira (Aveleda), Miguel Antunes (ANI), Paula Bico (DGAV), Pilar Morais (Frulact), Rui Sousa (Market Access) e Tiago Brandão (Super Bock Group).

A esta fase de avaliação, vai juntar-se também o ‘Chef’ Vítor Sobral.

O vencedor será conhecido a 21 de maio, numa cerimónia que decorrerá no Centro de Congressos da Alfândega do Porto.

“Além da possibilidade de representar o país na competição internacional, a equipa que ficar em primeiro lugar terá ainda um prémio no valor de dois mil euros. Ao segundo classificado será atribuído um prémio monetário de mil euros e o terceiro lugar levará para casa um prémio de 500 euros”, destaca o referido comunicado.

O ‘Ecotrophelia Europe’ terá lugar nos dias 6 e 7 de outubro, em Colónia, na Alemanha, no âmbito da ANUGA, feira internacional do setor de alimentos e bebidas.

Na competição, a equipa portuguesa irá concorrer com 16 outros países, nomeadamente Alemanha, Bélgica, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Espanha, França, Grécia, Holanda, Hungria, Islândia, Itália, Lituânia, Reino Unido, Roménia e Sérvia.
Consulte aqui a lista dos produtos finalistas do ‘Ecotrophelia Portugal 2019’:

  • Delichí – Bolacha salgada com farinha de ‘tempeh’ de chícharo, cebola e ervas, ideal para um ‘snack’ nutritivo | Universidade do Porto – Faculdade de Ciências + Universidade de Lisboa – Instituto Superior de Agronomia;
  • Dranola – A primeira granola a incorporar ‘dreche’ e com referências organoléticas tropicais | Universidade do Porto – Faculdade de Ciências;
  • Ecoburguer – Hambúrguer 100% vegetal, de sabor mediterrâneo, saudável, sustentável e com fibras, ideal para refeição ou ‘snack’ | Universidade do Porto – Faculdade de Ciências;
  • Honey Bite – Bolacha saudável com recheio de mel e avelã, feita a partir de ingredientes portugueses | Universidade de Aveiro;
  • InstaTwice – Sobremesa tradicional e rápida. Junção da autenticidade do sabor tradicional com o dia-a-dia moderno | Universidade Católica Portuguesa – Escola Superior de Biotecnologia;
  • PlantCakes – Preparado para panquecas saudáveis, fonte de fibra, sem glúten e com baixo teor de açúcares | Universidade do Porto – Faculdade de Ciências + Universidade Católica Portuguesa – Escola Superior de Biotecnologia;
  • Salmar – Salmão conservado em molho escabeche (azeite, vinagre, cebola e pimento) com salicórnia | Universidade de Lisboa – Instituto Superior de Agronomia + Instituto Politécnico do Porto – Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto;
  • Snackisy – Preparado em pó, de origem 100% vegetal, à base de frutos secos, com alto teor em proteína e fibra | Universidade do Porto – Faculdade de Ciências;
  • TOLIVE – ‘Snack’ de palitos de feijão vermelho e patês de azeitona (preta e verde | Universidade do Porto – Faculdade de Ciências;
  • Whummey – Húmus com aroma que lembra o do fumeiro, sem carne e enriquecido com soro de leite | Universidade do Porto – Faculdade de Ciências
Ler mais
Relacionadas

Conheça hoje os 10 novos alimentos inovadores nacionais

A terceira edição portuguesa do prémio ‘Ecotrophelia’ recebeu 20 candidaturas, repartidas por 10 categorias de produtos, que serão hoje conhecidas. Vergílio Folhadela, presidente do júri, desvenda alguns pormenores sobre o concurso, em entrevista ao Jornal Económico.
Recomendadas

Exportação de pezinhos de porco para a China pode render mais de 10 milhões aos produtores portugueses

Portugal conseguiu autorização para exportar pezinhos de porco para a China, um negócio que pode render mais de 10 milhões de euros anuais aos produtores, anunciou hoje a federação dos suinicultores.

Preço do polvo em Portugal atinge máximo de 20 anos

A maioria do polvo consumido em Portugal foi importada, quantidade quase três vezes superior à quantidade capturada. Um terço das receitas de polvo em lota foi gerada pelos portos do Algarve.

Cinco regiões vinícolas da Região Centro criam ‘cluster’ para valorizar enoturismo

Está prevista a assinatura de um protocolo de cooperação entre as cinco Comissões Vitivinícolas e do contrato de financiamento para o Enoturismo na Região Centro, celebrado com o Turismo de Portugal.
Comentários