Desde 1961 que as famílias portuguesas não poupavam tão pouco

Dados atualizados da Pordata revelam uma conta de um peso da poupança no rendimento disponível a um valor não visto em 57 anos. A poupança dos portugueses correspondeu a 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018.

As famílias não poupavam tão pouco desde 1961, sendo que o consumo privado dos residentes em Portugal registou máximos históricos no ano passado. As conclusões são reveladas pela Pordata esta quinta-feira, 31 de outubro, dia mundial da poupança e contadas pela edição do jornal “Público”.

Em 2018, os particulares (famílias e instituições sem fins lucrativos) pouparam 6,5% do rendimento disponível, uma percentagem que é só foi superada em 1961, quando se registou 6,3%, e o mínimo (5,5%) em 1960. Em sentido oposto, o ano em que mais se poupou foi em 1972, (27,8%). Nos últimos dez anos, os valores mais elevados de poupança coincidiram com a crise financeira mundial, em 2009, e em pleno período da troika em Portugal, em 2012.

A poupança dos portugueses correspondeu a 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018, ou seja, o dinheiro que os portugueses acumulam com as suas poupanças corresponde a menos de 5% da riqueza gerada no país em 2018. Um valor que é bastante inferior ao registado na década de 1970, onde em 1972 se verificou o valor mais alto (24%) desde o fim da década de 1960.

Segundo os dados de 2017, a percentagem de poupança no PIB equivale a 3,4%, valor muito baixo quando comparado com a Alemanha (10,8%) ou a Suécia (8,9%) e que deixa Portugal perto da cauda da Europa.

Relacionadas

Afinal, porque é preciso poupar dinheiro?

A poupança não é um fim em si mesmo mas antes uma forma de atingirmos os nossos objetivos e garantirmos a segurança financeira e a qualidade de vida que todos merecemos. Para se motivar é fundamental que defina os motivos da poupança. Siga estas e outras dicas de João Raposo, fundador e administrador do Grupo Reorganiza, na semana em que se celebra o Dia Mundial da Poupança.

Para a reforma ou para emergências. Porquê ou para quê poupar dinheiro?

Desengane-se quem acha que para atingir os seus objetivos pode apenas contar com as aplicações financeiras tradicionais e sem riscos. Se queremos multiplicar o nosso dinheiro temos de investir e de tomar riscos, na expetativa de obter retornos superiores. O risco não tem nada de errado, quando conhecido e bem gerido. Siga estas e outras dicas de João Raposo, fundador e administrador do Grupo Reorganiza, na semana em que se celebra o Dia Mundial da Poupança.

“Compre com dinheiro”. Siga estas sete dicas práticas para poupar

Fazer despesas com dinheiro aumenta a dor do pagamento o que nos faz mais conscientes dos impactos de determinada compra. Saiba que as despesas com cartão (seja de crédito, seja de débito) resultam numa despesa bastante maior do que as compras com dinheiro. Siga estas e outras dicas de João Raposo, fundador e administrador do Grupo Reorganiza, na semana em que se celebra o Dia Mundial da Poupança.

Taxa de poupança das famílias portuguesas está a níveis historicamente baixos, alerta DECO

A maior parte das famílias não tem sequer um fundo de emergência, montante que serve para fazer face a dificuldades e situações imprevistas, como de doença ou desemprego.

Portugueses poupam pouco? Cinco dados sobre as finanças das famílias

No dia mundial da poupança, a Pordata lançou um conjunto de dados sobre os rendimentos das famílias em Portugal.

E se houver uma despesa imprevista? Se for de 640 euros, 55% dos portugueses consegue pagar

Segundo um estudo da Intrum, apenas metade dos portugueses admite estar preparado para pagar uma divida imprevista no valor máximo de 640 euros. Comparativamente à média europeia, os portugueses são quem mais poupa para despesas surpresa.

“Pague primeiro a si próprio”. Sete dicas práticas para poupar dinheiro

Existem vários motivos para poupar dinheiro mas pode ser necessário algumas estratégias ou dicas práticas para conseguir atingir esse objetivo. Damos-lhe sete dicas práticas para poupar dinheiro sem grande esforço. Siga estas e outras dicas de João Raposo, fundador e administrador do Grupo Reorganiza, na semana em que se celebra o Dia Mundial da Poupança.

Porque celebramos o Dia Mundial da Poupança?

O dia Mundial da Poupança procura sensibilizar as famílias para um tema demasiado importante para ser esquecido. Neste vídeo, João Raposo, fundador e administrador do Grupo Reorganiza, reflete um pouco sobre o Dia Mundial da Poupança e sobre a mensagem que encerra.
Recomendadas
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.
Comentários