Desempregados inscritos no centro de emprego baixam para 297 mil em julho

Esta redução de desemprego em julho traduziu-se em menos 33.297 indivíduos inscritos do que em julho de 2018 e menos 901 desempregados inscritos do que em junho deste ano.

Hugo Correia/Reuters

O número de desempregados inscritos em julho nos centros de emprego baixou 10,1% face ao mesmo mês de 2018, e 0,3% face a junho, para 297 mil desempregados, segundo dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional.

O desemprego atingiu assim, segundo o ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, “o valor mais baixo desde dezembro de 1991”, quando se registavam 296,6 mil desempregados inscritos.

Esta redução de desemprego em julho traduziu-se em menos 33.297 indivíduos inscritos do que em julho de 2018 e menos 901 desempregados inscritos do que em junho deste ano.

O IEFP, na informação divulgada esta quarta-feira, afirma que a diminuição no número de desempregados registados em junho, face a julho do ano passado, é reflexo de uma descida em “todos os grupos de desempregados”, e destaca o contributo dos homens e os adultos com mais de 25 anos, inscritos há um ano ou mais no centro de emprego, dos que procuravam novo emprego e dos que possuem como habilitação escolar o primeiro ciclo básico.

A nível regional, comparando julho deste ano com igual mês do ano passado, o desemprego registado diminuiu em todas as regiões do país, sendo as descidas maiores as das regiões de Lisboa e Vale do Tejo (-11,9%), a região autónoma dos Açores (-11,1%) e a região do Norte (-10,7%).

Os dados do IEFP, hoje divulgados, mostram que o desemprego diminuiu na construção (-21,4%), atividades financeiras e de seguros(-14,1%) e na fabricação de outros produtos minerais não metálicos(-13,2%), sendo a descida no setor secundário ou industrial de 11,9%.

Quanto às ofertas de emprego por satisfazer, no final de julho, totalizavam 19.294, nos serviços de emprego de todo o país, o que, segundo o IEFP, “corresponde a uma redução anual de 712 [indivíduos] e de 3,6% e uma diminuição mensal de 40 desempregados e 0,2% das ofertas em ficheiro.

O desemprego jovem, que em junho tinha baixado para as 27,7 mil pessoas, com uma redução homóloga de 12,2% e de 8% face ao mês anterior, (-2,4 mil pessoas), aumentou 2,9% em julho, face a junho, com mais 802 desempregados jovens inscritos. Mas face a julho de 2018, o desemprego de menores de 25 anos caiu 8,4%, com menos 2.617 jovens inscritos no centro de emprego.

Recomendadas

EUA: Powell reitera novamente apoio da Fed à retoma e aponta a “teste mais exigente” no capítulo laboral

O presidente da Fed voltou a reforçar o compromisso do organismo com o apoio à retoma nos EUA e, apesar de vários governadores do Comité da autoridade monetária verem já progresso suficiente no mercado laboral, esclareceu que pretende ver a economia passar “um teste mais exigente” neste capítulo.

Fed revê crescimento dos EUA em baixa e inflação em alta para este ano

A Reserva Federal estima que o crescimento real do PIB norte-americano seja menor do que os 7% estimados em junho, apontando agora para 5,6% em 2021, mas prevê que 2022 traga uma evolução do PIB mais favorável do que o calculado há três meses.

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.
Comentários