Desemprego aumenta 1,5% em dezembro, diz IEFP

No final do mês de dezembro de 2019, estavam inscritos nos Centros de Emprego 310.482 indivíduos, o que corresponde a uma variação homóloga de -8,4% (28.553 pessoas) e a uma variação mensal de 1,5% (4.521 pessoas).

Em dezembro de 2019, estavam inscritos nos Centros de Emprego 310.482 pessoas, o que corresponde a uma variação homóloga de -8,4% (28.553 pessoas) e a uma variação mensal de 1,5% (4.521 pessoas), referem as estatísticas de emprego do IEFP (Instituto do Emprego e Formação Profissional).

Durante o mês de dezembro de 2019, inscreveram-se nos Centros de Emprego 42.195 pessoas, o que representa uma variação homóloga de 3,4% e uma variação mensal de -17,2%. Durante este mês, foram efectuadas 5.080 colocações, o que corresponde a um diminuição de 21,0% face ao mês anterior e a uma variação homóloga de 14,3%.

Os pedidos de emprego somaram 464.874 mais 0,3% que em novembro e -7,9% que no mesmo mês de 2018.

As ofertas de emprego em dezembro somaram 11.503, ou -30,7% face ao mês anterior, ou -6,6% face a dezembro de 2018.

Segundo a dimensão regional, todas as regiões apresentaram uma diminuição do desemprego em termos homólogos, sobressaindo os valores da região do Norte, Açores e Lisboa que registaram uma diminuição no desemprego de 10,0%, 9,3% e de 9,2%, respectivamente.

Comparativamente ao mês anterior, apenas se registou uma descida no desemprego registaram-se na região dos Açores (-0,2%).

 

 

Ler mais

Recomendadas

Governo decide hoje encerrar todas as escolas a partir de sexta-feira

O Governo vai decidir hoje, em Conselho de Ministros, o encerramento de todos os estabelecimentos de ensino, do Básico ao Superior, com efeitos a partir de sexta-feira, disse à agência fonte do executivo.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

Esta quinta-feira realiza-se a primeira reunião do ano do Banco Central Europeu, onde se espera que seja discutido o processo de recalibragem dos instrumentos de política monetária do banco central para atacar a crise provocada pela pandemia de Covid-19.

Académicos minimizam papel da economia na decisão sobre fecho das escolas

“Eu preferia não dar ‘munições’ económicas para esse debate”, disse o professor da Universidade Católica de Lisboa João Borges de Assunção à Lusa, considerando que “o problema do encerramento das escolas é o problema na consequência da educação das crianças e dos jovens”.
Comentários