Desigualdade salarial entre homens e mulheres: o que dizem os números?

A discriminação a que a mulher é sujeita em toda a sociedade tem também expressão no mercado laboral com a desvalorização do trabalho da mulher.

No passado dia 1 de novembro celebrou-se o Dia Nacional da Igualdade Salarial entre homens e mulheres e, por isso, vale a pena ler os dados do relatório do Progresso da Igualdade entre Mulheres e Homens no Trabalho, no Emprego e na Formação Profissional coordenado pela Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego relativamente ao ano de 2016. A situação é alarmante.

Os dados do relatório sobre a estrutura do mercado de trabalho em Portugal dizem-nos que, face ao ano anterior, nada mudou: as mulheres estão menos presentes na população ativa; elas representam 48,7% da população empregada apesar da entrada de mais 29,4 mil mulheres no mercado de trabalho, mais duas mil que no caso dos homens.

É interessante que se tenha verificado um aumento do nível de escolaridade em toda a população, com 32,9 mil mulheres licenciadas a entrar no mercado de trabalho, mais 3,3 mil do que os homens. Aliás, apesar do peso desproporcionado das mulheres em certas actividades, como a saúde ou o apoio social (82,4%) ou a educação (76,7%), o número de mulheres aumentou consideravelmente em atividades tradicionalmente associadas aos homens, como a consultoria científica ou técnica.

As mulheres estão cada vez mais presentes nas profissões altamente qualificadas. A representação das mulheres cresceu significativamente no grupo dos representantes políticos e gestores de topo (+11,1 mil pessoas), mas a assimetria nos cargos de direção nas empresas continua a ser enorme com apenas uma mulher em cada dois homens a ocupar esse posto.

Mediaticamente, os rendimentos são sempre mais escrutinados porque, de facto, a desigualdade é gritante: a diferença salarial média do ganho entre homens e mulheres em 2015 era de 20%.

A situação não é igual para todas as classes de rendimento: nos salários mais baixos a diferença é de cerca de 5%, mas nos salários dos “quadros superiores”, tipicamente acima da média, a diferença chega quase aos 30%. Acontece o mesmo se observarmos por níveis de escolaridade: a diferença de ganho entre homens e mulheres com escolaridade baixa é de 18%, aumentando para os 30% para quem tem formação superior.

A contradição é enorme: as mulheres estão hoje em maioria nas universidades e há cada vez mais mulheres com formação superior no mercado de trabalho, mas os seus salários são muito menores do que os dos homens nas mesmas condições e não conseguem aceder a cargos de chefia. Elas confrontam-se com uma barreira invisível e intransponível.

Da mesma forma, não é uma coincidência que as mulheres estejam mais presentes em setores como a saúde, os serviços sociais ou a limpeza onde o rendimento médio é menor. Pelo contrário, esses setores têm rendimentos menores porque há uma predominância das mulheres nesses setores.

O que acontece é que o trabalho das mulheres é desvalorizado, não lhes permitindo progredir na carreira ou mesmo receber o mesmo pelo mesmo trabalho dos homens. Ou seja, a discriminação a que a mulher é sujeita em toda a sociedade tem também expressão no mercado laboral com a desvalorização do trabalho da mulher.

As razões para esta desigualdade são bem conhecidas: são as mulheres que têm a função de tratar da casa e do apoio à família e às crianças, o seu salário e carreira depois de serem mães nunca volta ao nível dos homens e muitos empregadores, que são na maioria homens, não valorizam tanto nem dão tantas oportunidades de carreira às mulheres.

É de notar que nos rendimentos mais baixos a situação não é tão grave e isso tem que ver com políticas concretas como o aumento do salário mínimo, cujas subidas tornam os salários mais baixos mais igualitários. Elas também estão mais presentes nos salários mais baixos e, por isso, a taxa de mulheres a receber o salário mínimo é 10 pontos percentuais mais alta do que a dos homens.

A igualdade entre homens e mulheres é essencial para uma sociedade justa, mas no mercado de trabalho conseguem-se observar expressões da enorme disparidade que existe entre os géneros no Portugal de 2017. O mercado deixado livre a funcionar exacerba estas desigualdades, pelo que só com políticas públicas podemos ambicionar fechar o abismo que existe entre homens e mulheres no mercado de trabalho e em todas as esferas da vida.

Essas políticas, feministas, igualitárias, estão presentes no debate público: como o aumento do salário mínimo, as quotas para os órgãos de gestão e políticos, a divulgação de listas negras das empresas com desigualdades mais acentuadas, o alargamento das licenças de maternidade, o alargamento e obrigatoriedade das licenças dos pais, a proibição do despedimento das mulheres grávidas ou a proteção contra o assédio moral e sexual de colegas e chefes.

O que os números nos dizem é que ao ritmo atual o mundo vai precisar de 118 anos para acabar com as desigualdades salariais entre homens e mulheres, por isso, precisamos de assumir essas políticas públicas feministas para construir essas pontes muito mais rapidamente.

 

Ver relatório aqui.

Recomendadas

Aprender a comprar online

A falta de literacia online é ainda um problema a resolver, que prejudica quem compra em sites duvidosos e assusta quem nunca comprou.

Sporting vs. Braga: o desaparecimento ou a emergência de (mais) um grande?

Discute-se hoje o encurtamento das distâncias entre SC Braga e Sporting CP. Será esta uma moda de curta duração ou uma tendência emergente? Estaremos perante um quarto grande ou deveremos deixar de colocar Sporting no lote dos três grandes, dadas as distâncias cada vez mais evidentes para SL Benfica e FC Porto?

Por uma nova ética republicana

A ética republicana deve ir muito além do que está na lei, sob pena de um dia o capitalismo e a própria democracia liberal soçobrarem sob o peso das muitas indignações e da falta de empatia e coesão social.
Comentários