Devemos considerar a poupança como uma prioridade?

Poupar não tem de ser um sacrifício sem sentido ou uma mortificação. Sim, temos de viver a vida e temos de aproveitar as coisas boas que temos. Mas podemos fazê-lo de forma mais regrada sempre conscientes de que conseguiremos aumentar a nossa qualidade de vida se conseguirmos poupar dinheiro. Siga estas e outras dicas de João Raposo, fundador e administrador do Grupo Reorganiza, na semana em que se celebra o Dia Mundial da Poupança.

Existem dias Mundiais para tudo. Há temas mais importantes outros menos. O dia Mundial da Poupança procura sensibilizar as famílias para um tema demasiado importante para ser esquecido. Neste artigo refletimos um pouco sobre o Dia Mundial da Poupança e sobre a mensagem que encerra.

Porque não poupamos mais?

Talvez porque não conseguimos. Com alguma probabilidade, porque não é uma prioridade. De facto, a queda das taxas de juro não tem apenas impactos positivos (reduzindo as prestações com créditos) mas também impactos profundos no mundo da poupança. Assim, a queda das taxas de juro resulta de forma imediata num desincentivo à poupança, levando muitas famílias a pensar “Poupar para quê?”.

Temos de considerar a poupança uma prioridade

Este dia simbólico leva-nos a pensar na importância de considerar a poupança uma prioridade. Tendemos a encontrar disponibilidade para aquilo que consideramos prioritário. Assim, se considerarmos a poupança como uma prioridade vamos encontrar formas de poupar dinheiro. Se não o fizermos iremos relegá-la para segundo ou terceiro plano, acabando por não existir.

Temos de mudar de hábitos

Para poupar temos de mudar de hábitos. Temos de fazer ajustes. Se hoje não conseguimos poupar temos de fazer mudanças para que isso seja uma realidade. Por exemplo, seguir algumas dicas práticas para conseguirmos atingir os nossos objetivos.

Poupar é possível!

Diz-nos a experiência que poupar dinheiro é possível. Não nos cansamos de alertar para esta realidade e de tentar contrariar a tendência da queda da taxa de poupança das famílias. Estamos atualmente com uma das mais baixas taxas de poupança do Mundo. E não poupamos ao mesmo tempo que nos endividamos. Se quisermos poupar vamos conseguir poupar, por muitas desculpas e motivos que apresentemos.

Poupar é bom

Ter dinheiro na conta bancária é muito bom. Não falamos de acumular por si mas pelas potencialidades que isso encerra. Pela segurança financeira que teremos. Pelas possibilidades que nos abre. Pela liberdade que nos proporciona. Poupar não tem de ser um sacrifício sem sentido ou uma mortificação. Sim, temos de viver a vida e temos de aproveitar as coisas boas que temos. Mas podemos fazê-lo de forma mais regrada sempre conscientes de que conseguiremos aumentar a nossa qualidade de vida se conseguirmos poupar dinheiro.

Temos de assumir as rédeas da nossa vida financeira

Por fim, temos de assumir que para melhorar a nossa vida temos de ser os responsáveis pela nossa vida financeira. E isso passa por aumentar o conhecimento pois o mundo financeiro tem vindo a subir em termos de complexidade e de inovação. Sim, os temas financeiros podem ser bastante maçadores mas dominar estes temas poderá ser meio caminho para o seu sucesso financeiro.

Ler mais
Recomendadas

Combustíveis: Gasolina desce na próxima semana, gasóleo fica inalterado

Na semana passada o gasóleo subiu 0,5 cêntimos, acompanhado por uma subida de 1,0 cêntimos no preço da gasolina. Saiba onde encontrar os postos mais económicos do país.

Amianto: como lidar com o perigo?

O amianto é uma ameaça à saúde pública, pelo que a sua remoção deve seguir regras de segurança apertadas. A Deco explica quais os riscos do amianto.

O que deve ter em conta no consumo colaborativo

O consumo colaborativo fomenta a partilha de serviços e bens que possuímos, para que haja um melhor aproveitamento dos mesmos. A partilha é uma forma inteligente de evitar o desperdício e poupar algum dinheiro.
Comentários