PremiumDGS adapta as suas orientações às especificidades da Festa do Avante

Organização da festa comunista já recebeu primeiro parecer técnico das autoridades de saúde. Regras variam consoante segmentos existentes, como restauração e espetáculos, devido à “complexidade” do evento.

A pouco mais de uma semana da Festa do Avante, organizada pelo Partido Comunista (PCP), a Direção-Geral da Saúde (DGS) enviou o primeiro parecer técnico sobre as regras de higiene e segurança a aplicar durante o evento. As orientações são, segundo a DGS, “genéricas”, mas têm em conta as especificidades da festa comunista que, para o PCP, “não é um simples festival de música”, mas uma “grande realização político-cultural”.

O parecer foi entregue pela DGS ao PCP, mas não foi divulgado ao público por ser específico para uma entidade. “Quando emitimos um parecer para uma entidade, o parecer é para essa entidade. Se essa entidade não tiver nada opor a que o parecer se torne público para outras entidades lerem e utilizarem, pela parte da DGS não veremos nenhum inconveniente”, disse a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, esta quarta-feira, na última conferência de imprensa sobre a Covid-19 em Portugal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

América Latina é a região mais afetada por notícias falsas sobre covid

o Observatório de Infodemia Covid-19 da Fundação Bruno Kessler refere que, dos 83 países em estudo, os 15, onde a fiabilidade das informações sobre a doença difundidos através dos meios digitais é a mais baixa, encontram-se na América Latina, onde 59% do que se publica é considerado “fiável”.

Covid-19: Bastonária dos farmacêuticos diz que Saúde falhou planeamento do inverno

A bastonária dos farmacêuticos defendeu hoje que o país, nomeadamente a área da Saúde, falhou a preparação do período de outono-inverno e criticou a “comunicação bastante irregular” que tem sido feita da pandemia, que não se combate com “normativos”.
Comentários