DGS reduz intervalo de tempo entre primeira e segunda dose da Pfizer/BioNTech

A mudança em causa vai ao encontro daquilo que tinha sido pedido pelo coordenador da task force, o vice-almirante Gouveia e Melo, que pretende conseguir vacinar os jovens antes do início do ano letivo.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta terça-feira que o intervalo entre a primeira e a segunda dose da vacina da Pfizer/BioNTech vai ser reduzido, deixando de ser de 28 dias e passando a ser flexível num período que pode ir de 21 a 28 dias.

Em entrevista à rádio “TSF“, Luís Graça, membro da comissão técnica de vacinação, explicou que “perante a variante Delta, a proteção contra a infeção é significativa após a segunda dose”. Face ao agravamento da situação, o responsável considera ser justificado “tentar acelerar essa segunda dose para dar essa proteção mais significativa”. “Foi isso que condicionou esta alteração”, acrescentou.

A mudança em causa vai ao encontro daquilo que tinha sido pedido pelo coordenador da task force, o vice-almirante Gouveia e Melo, que pretende conseguir vacinar os jovens antes do início do ano letivo.

Esta não é a primeira vez que a task force e a DGS decidem alterar o intervalo entre doses. Também para a vacina da AstraZeneca os responsáveis decidiram encurtar o prazo de 12 para 8 semanas entre cada dose.

Recomendadas

Ricardo Baptista Leite: “Um concelho sem segurança e sem saúde não consegue prosperar”

As propostas a nível da saúde e segurança são os pilares da candidatura de Ricardo Baptista Leite à Câmara de Sintra. O médico e representante da coligação “Curar Sintra”, sob liderança do PSD, pretende reforçar o policiamento e a videovigilância no concelho, ao mesmo tempo que promete um médico assistente às mais de 100 mil famílias que não têm acesso a um. “Não é possível criar e fomentar um sentimento de bem-estar sem resolvermos estes problemas”.

Líder do CDS acusa Costa de “deslealdade perante os eleitores”

Em declarações aos jornalistas em Nelas (distrito de Viseu) à margem de uma iniciativa da campanha autárquica, Francisco Rodrigues dos Santos afirmou que “há uma questão ética e moral que deve haver na política, que é em altura de eleições alguém que ocupa a função de primeiro-ministro não deve exacerbar as suas funções e confundi-las com as de secretário-geral do PS”.

Funchal: Coligação Confiança garante construção de 202 novas habitações sociais

O cabeça de lista da Coligação Confiança referiu que gostaria que o Funchal também tivesse acesso às verbas do Plano de Recuperação e Resiliência, destinadas à construção de habitação social.
Comentários