Dif Markets vendida a investidores brasileiros

“A participação na DIF Markets foi alienada em Agosto antes desta transação com o BiG. Todas as autorizações foram recebidas e a transação já foi finalizada”, disse, Pedro Lino, CEO da Dif Broker.

Cristina Bernardo

A Dif Broker, cuja venda ao BiG foi anunciada ontem, quarta-feira, vendeu em agosto a sua subsidiária na América Latina, revelou ao Jornal Económico Pedro Lino.

“A participação na DIF Markets foi alienada em Agosto antes desta transação com o BiG. Todas as autorizações foram recebidas e a transação já foi finalizada”, disse o CEO da Dif Broker.

A Dif Broker tinha 80% da Dif Markets, uma corretora com sede no Uruguai que tinha sido adquirida em 2016 ao Saxo Bank (banco de investimento dinamarquês que opera on-line). Os restantes 20% são detidos por investidores locais.

Esta corretora foi vendida antes do BiG comprar a Dif Broker.

Pedro Lino é o CEO da Dif Broker, função que irá manter apesar da mudança acionista. O gestor tem também a Optimize, onde é o maior acionista com 41%, sendo os restantes investidores e empresários nacionais e há 8% que é detido por um investidor espanhol.

 

 

Relacionadas

Banco BiG adquire corretora DIF Broker

O Banco adquire 100% da DiF. Esta aquisição “permitirá ao BiG reforçar as suas competências na área da corretagem e acelerar o seu plano de crescimento da atividade de Wealth Management internacional”, diz o banco liderado por Mário Bolota.
Recomendadas

O principal desafio para o sector das pescas é tecnológico

O presidente da Associação dos Armadores de Pesca Industrial diz que a frota precisa de um salto tecnológico que a União Europeia deveria impor e apoiar quanto antes.

Desenvolvimento tecnológico vai marcar segurança privada

Na lista das 10 tendências identificadas pela associação norte-americana de segurança, e que constam do seu último relatório, todas têm uma base tecnológica e metade respeitam a esta integração entre vídeo e software, com destaque para as ferramentas de reconhecimento facial.

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.
Comentários