Diogo Vaz Guedes pede falência e perdão de 67 milhões

Há cerca de um ano, em outubro de 2017, o Novo Banco já havia avançado com uma ação contra Diogo Vaz Guedes, na tentativa de recuperar uma dívida de 4,3 milhões de euros relativa à Gespura, uma das sociedades do empresário.

Diogo Vaz Guedes, ex-presidente da construtora Somague, abriu um processo de falência.

De acordo com uma notícia publicada na edição de hoje do ‘Correio da Manhã’, o empresário pede um perdão de dívida de 67,2 milhões de euros, sendo os grandes credores o Novo Banco e o BCP.

Aliás, há cerca de um ano, em outubro de 2017, o Novo Banco já havia avançado com uma ação contra Diogo Vaz Guedes, na tentativa de recuperar uma dívida de 4,3 milhões de euros relativa à Gespura, uma das sociedades do empresário.

A Gespura é uma sociedade gestora de participações sociais que tinha como um dos seus principais ativos a Aquapura, que geria diversos projetos hoteleiros em Portugal e no Brasil, mas que foi resgatada e assumida por diversos fundos internacionais na sequência de diversos incumprimentos financeiros.

Antes, Diogo Vaz Guedes foi o líder da Somague, uma empresa familiar, que chegou a ser uma das maiores construtoras nacionais nos anos 90, mas que foi vendida ao grupo Sacyr, processo que foi concluído no final de 2003, com um encaixe final anunciado na altura na ordem dos 180 milhões de euros.

A Somague mantém atividade como construtora em Portugal e noutros mercados como Angola, mantendo-se na órbita do grupo Sacyr, tendo liderado um consórcio que garantiu a adjudicação, na passada semana, da empreitada de reparação da ponte 25 de abril, por um montante de 12,6 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

PremiumLisboa pronta para ser a Capital Verde europeia em 2020

A iniciativa verde tem em agenda um conjunto de eventos, atividades, exposições e conferências que irão decorrer ao longo do próximo ano.

Santander lança bolsas para países ibero-americanos

São 210 bolsas de mobilidade destinadas a estudantes, professores e investigadores.

Saiba em que casos as empresas podem controlar trabalhadores com recolha de dados biométricos

Embora o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), que foi entrou em vigor há um ano, proíba o tratamento de dados biométricos, há exceções previstas na lei que possibilitar às empresas usar esta informação para controlar a assiduidade dos trabalhadores. Saiba quais.
Comentários