Diplomatas do Azerbaijão e da Arménia reúnem em Genebra

Os dois lados do conflito (re)começaram negociações para a paz em Nagorno-Karabakh. É a quarta vez que, com a presença do grupo de Minsk, as duas partes se encontram. Nas três vezes anteriores, os apelos e as promessas não resultaram em nada.

Genebra, Suíca

Diplomatas e ministros da Arménia e do Azerbaijão chegaram esta sexta-feira a Genebra para reiniciarem conversações com vista a resolverem o conflito que deflagrou há mais de um mês na região de Nagorno-Karabakh, onde já se contam várias centenas de mortos. As delegações dos dois países em conflito reuniram com enviados da França, Rússia e Estados Unidos, o grupo de Minsk (da responsabilidade da OSCE).

Os ministros das Relações Exteriores da Arménia e do Azerbaijão confirmaram que seus respetivos gabinetes estão em Genebra, enquanto grupos de direitos humanos pediram a suspensão imediata do uso de armas proibidas depois de confirmarem a sua utilização num ataque à cidade azeri de Barda.

Os piores combates no sul do Cáucaso em mais de 25 anos de conflito ora latente ora real levantaram temores de uma guerra mais ampla que poderia sugar a Rússia e a Turquia para o cenário dos combates. A guerra representa também, recorde-se, uma ameaça para os oleodutos que transportam petróleo e gás do Azerbaijão para os mercados europeus.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse feira que a Turquia, que exigiu um papel de relevo nas negociações, deve estar entre os países envolvidos no fim do conflito. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que as tropas de paz entrariam na zona de conflito apenas depois de um acordo entre a Arménia e o Azerbaijão ser formalmente assinado.

Nagorno-Karabakh é internacionalmente reconhecido como parte do Azerbaijão, mas é povoado e controlado por arménios. A Armênia, como o Azerbaijão, considera o território como parte de sua pátria histórica (a grande Arménia) e diz que a população precisa da sua proteção. O Azerbaijão rejeita qualquer solução que deixe os arménios no controlo do enclave.

Três cessar-fogo não conseguiram deter os últimos combates, o mais recente negociado em Washington no último domingo pelo secretário de Estado americano Mike Pompeo, e o primeiro dirigido pelo ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, que chegou a juntar o inistro das Relações Exteriores da Arménia, Zohrab Mnatsakanian, com o seu homólogp do Azerbaijão, Jeyhun Bayramov (em Moscovo, a 9 de outubro passado).

Ler mais
Recomendadas

Instalações nucleares de Natanz registam incidente na rede de distribuição elétrica

As instalações nucleares de Natanz sofreram hoje um incidente na rede de distribuição elétrica, noticiou a televisão estatal, que citou o porta-voz do programa nuclear civil do Irão.

Turquia diz que não quer “aumento das tensões” entre a Ucrânia e a Rússia

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse hoje não desejar um aumento das tensões entre a Rússia e a Ucrânia, onde o conflito no Leste continua.

PremiumInovação vai ser chave para concorrência internacional

Na conferência “Competir num Mundo Global”, Paulo Portas apontou os riscos da bipolarização. Carlos Moedas afirmou-se otimista com papel da UE.
Comentários