PremiumEric Mestre: “As empresas personalizam cada vez mais a sua oferta”

Eric Mestre, managing diretor da Accenture Europa, responsável pela área de Consumer Goods, explica as principais tendências do consumo em 2019.

Do luxo ao retalho, as empresas personalizam cada vez mais a sua oferta e abrem portas à inovação. Eric Mestre, managing diretor da Accenture Europa e responsável pela área de Consumer Goods, explica que o consumidor é, hoje em dia, parte do “ecossistema da marca”. “Assistimos a uma lealdade às marcas, no sentido de que os consumidores querem participar. Como são leais a uma marca, acham-se no direito de expressar os seus sentimentos e as suas vontades. Eu venho de França, onde as pessoas querem ser questionadas, falar sobre os assuntos e que a sua opinião tenha mais importância”, diz este responsável da Accenture ao Jornal Económico.

Na opinião de Eric Mestre já não chega ter uma celebridade a representar determinada marca. “O que existe agora é uma rede organizada de influenciadores. Através das redes sociais irão estimular a lealdade a determinada marca”, acrescenta.

Artigo publicado na edição semanal de 2 de agosto, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários