Diretora financeira da Huawei acusada de fraude pelos EUA

Meng Wanzhou é acusada de “conspiração para defraudar diversas instituições financeiras”, passível de condenação a mais de 30 anos de prisão. A empresa tecnológica chinesa terá utilizado uma outra empresa, a SkyCom, para violar as sanções económicas impostas ao Irão.

As autoridades fiscais dos EUA acusam a diretora financeira (CFO) da Huawei, Meng Wanzhou, de práticas de fraude, por alegadamente ter tentado contornar as sanções económicas impostas ao Irão. A empresa tecnológica chinesa terá utilizado uma outra empresa, a SkyCom, para violar as sanções ao Irão. Como tal, os EUA pediram ao Canadá a detenção e extradição de Wanzhou.

A diretora financeira da Huawei foi detida no Canadá, a 1 de dezembro, a pedido dos EUA, como parte de uma investigação mais ampla sobre um suposto plano da empresa chinesa de utilização do sistema financeiro internacional para contornar as restrições impostas por Washington a Teerão. De acordo com a Reuters, a SkyCom terá tentado vender equipamento norte-americano ao Irão.

A Huawei é o segundo maior fabricantes de smartphones do mundo e a detenção da respetiva CFO gerou quedas em várias bolsas de valores. Wanzhou é acusada de “conspiração para defraudar diversas instituições financeiras”, passível de condenação a mais de 30 anos de prisão, segundo informou um dos advogados do Governo canadiano, na audiência judicial realizada ontem em Vancouver.

Recomendadas

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.

Conclusões de Tancos vão ditar futuro da PJ Militar

Alegado envolvimento e comprometimento da investigação a Tancos pela PJ Militar desagrada a todos os partidos. Deputados aguardam encerramento da comissão de inquérito para proporem mudanças. Existência dessa entidade pode ser reconsiderada.

Economistas destacam otimismo do Governo para 2019 e pouca ambição na reforma do Estado

O Governo apresentou em 15 de abril o Programa de Estabilidade 2019-2023, o último da atual legislatura, no qual reviu em baixa o crescimento económico para este ano, prevendo uma expansão de 1,9%, um decréscimo de 0,3 pontos percentuais face aos 2,2% inscritos no Orçamento do Estado, mas que supera as previsões dos restantes organismos.
Comentários