PremiumDisrupção: o trio de fintech que já atraiu 500 mil portugueses

Revolut, N26 e Monese vêem espaço para crescer em Portugal. Ao JE, dizem que novos serviços e custos reduzidos são chave para atrair ‘millennials’.

Mais de meio milhão de portugueses já utilizam as três principais fintech que operam no mercado nacional. É verdade que, a comparar com a banca tradicional, este é um número tímido. Mas, em defesa destes agentes de disrupção da indústria financeira está o facto de terem sido chegado a Portugal apenas na segunda metade desta década. Com a digitalização, a espinha dorsal da Revolut, da N26 e da Monese, que lhes permite ganhos de escala eficientes, servindo milhões de clientes com uma única plataforma tecnológica, a três empresas dizem ao Jornal Económico que a adesão em Portugal só poderá aumentar.

“Ainda há muito espaço para crescer”, referiu Sarunas Legeckas, diretor geral da N26 para o mercado português. A ambição destas fintech não é nacional nem regional, é global.

Entre estas três novas estrelas da tecnologia financeira, a Revolut lidera em número de clientes no nosso país, com cerca de 380 mil. A Monese já supera os cem mil, dez vezes mais do que tinha em fevereiro. A N26 prefere não divulgar números, mas disse que irá estar próxima dos cem mil clientes até ao final do ano.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Queda da receita fiscal abranda em agosto para 2.270,8 milhões de euros

O Estado arrecadou menos 2.270,8 milhões de euros em impostos até agosto, correspondente a uma diminuição de 7,8% face ao mesmo período de 2019, cerca de metade da queda homóloga observada em julho, segundo a Síntese de Execução Orçamental.

PremiumPresidente da ARAN: “O cenário é muito pior do que as estatísticas aparentam”

A associação que representa o setor automóvel vai hoje pedir ao Governo apoios para atenuar o impacto de uma quebra de (pelo menos) 41% nas vendas. Redução do ISV, isenção do IUCe aumento das deduções à coleta do IVA são as medidas em destaque.

Carga fiscal de 2019 revista em baixa para 34,7% e mantém-se a mais alta de sempre

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu hoje em baixa em uma décima a carga fiscal de 2019, para 34,7%, um valor igual ao de 2018 e o mais elevado de sempre.
Comentários