Dívida externa cai para 100,2% do PIB em junho

A dívida externa, medida pela posição de investimento internacional, caiu 2,7 mil milhões entre dezembro do ano passado e junho de 2019 para 205,9 mil milhões.

José Manuel Ribeiro/Reuters

Em junho de 2019, a dívida externa, medida pela posição de investimento (PII) era de -100,2% do PIB o que compara com -100,8% registado no final de dezembro de 2018.

A PII reflete a posição das disponibilidades e responsabilidades financeiras externas da economia, isto é, a dívida externa calcula o endividamento dos agentes económicos portugueses e consiste na diferença entre o que a economia nacional deve ao estrangeiro e o que tem a receber do estrangeiro.

Entre dezembro de 2018 e junho deste ano, a PII de Portugal decresceu 2,7 mil milhões de euros, caindo de 203,2 mil milhões de euros negativos em dezembro do ano passado para 205,9 mil milhões de euros negativos em junho deste ano.

O BdP explicou que a variação verificada se deveu ao “impacto das transações (-2,2 mil milhões) e das variações de preço (-1-1 mil milhões), parcialmente compensado pelas variações cambiais (+0,1 mil milhões de euros) e pelos outros ajustamentos (+0,5 mil milhões).

O impacto negativo das variações de preço sore a PII resulta da valorização dos passivos, nomeadamente as obrigações do tesourou na carteira de não residentes, e da valorização das empresas residentes detidas por não residentes, disse o regulador.

Ainda assim, este efeito negativo foi atenuado pela valorização dos ativos, nomeadamente do outro do banco central e dos títulos emitidos por não residentes pelo setor financeiro.

Já a dívida externa líquida que resulta da PII excluindo os intrumentos de capital, ouro em barra e derivados financeiros, ascendeu a 179 mil milhões de euros em junho deste de ano. Em percentagem do PIB ascendeu a 87,3%, o que se traduz numa queda de 1,7 pontos percentuais face ao final de 201a “em grande medida devido ao aumento do PIB”, explicou o BdP.

 

Relacionadas

Défice externo aumenta para 2.600 milhões de euros até junho

Défice externo aumentou face aos 1.678 milhões registados no primeiro semestre do ano passado. Para esta evolução contribuiu, sobretudo, a balança de bens, segundo o Banco de Portugal.
Recomendadas

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.

Rio tem “feeling” na vitória de Moedas e fala de “vigarice” nas sondagens

“Quem vai ganhar? Não sabemos, o meu feeling é que ganha o Carlos Moedas e é isso que temos de continuar a fazer até dia 26 de setembro”, disse Rui Rio.

Bruxelas “acompanha de perto” subida dos preços da energia

“Na situação atual, a Europa precisa de investir em energias renováveis, uma vez que estas oferecem uma alternativa real à nossa dependência de combustíveis fósseis importados”, disse o comissário Kadri Simson.
Comentários