Docente aluga sofá a dez euros por dia para continuar a dar aulas em Lisboa

O acesso à habitação para os professores deslocados é um problema identificado, sobretudo em regiões como Lisboa, onde os preços exigidos pelo aluguer de um quarto ou habitação são incomportáveis para a maioria.

Muitos dos professores deslocados em Lisboa e Algarve vivem em condições precárias, devido aos preços das habitações e, de acordo com a edição deste sábado do “Expresso”, há quem alugue o sofá a dez euros por dia para poder dar aulas.

É o caso de uma professora de matemática, de 44 anos, com uma carreira de vinte anos, que alugou um sofá por dez euros por dia numa casa em Odivelas, onde dorme três noites por semana, para poder continuar a dar aulas em Lisboa.

De acordo com o semanário, alugar o sofá foi a única solução encontrada pela professora para continuar a dar aulas na capital pelo sexto ano consecutivo, a 300 quilómetros da sua área de residência, que é Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro.

O acesso a habitação para os professores deslocados é um problema há muito identificado, sobretudo em regiões como Lisboa, onde os preços exigidos pelo aluguer de um quarto ou habitação são incomportáveis para a maioria.

O Ministério da Educação, citado pelo jornal do grupo Impresa, fez saber que estão “em análise e em articulação com outros ministérios soluções que visem incentivar a colocação de professores em certos territórios”, sem concretizar hipóteses ou prazos.

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários