Docente aluga sofá a dez euros por dia para continuar a dar aulas em Lisboa

O acesso à habitação para os professores deslocados é um problema identificado, sobretudo em regiões como Lisboa, onde os preços exigidos pelo aluguer de um quarto ou habitação são incomportáveis para a maioria.

Muitos dos professores deslocados em Lisboa e Algarve vivem em condições precárias, devido aos preços das habitações e, de acordo com a edição deste sábado do “Expresso”, há quem alugue o sofá a dez euros por dia para poder dar aulas.

É o caso de uma professora de matemática, de 44 anos, com uma carreira de vinte anos, que alugou um sofá por dez euros por dia numa casa em Odivelas, onde dorme três noites por semana, para poder continuar a dar aulas em Lisboa.

De acordo com o semanário, alugar o sofá foi a única solução encontrada pela professora para continuar a dar aulas na capital pelo sexto ano consecutivo, a 300 quilómetros da sua área de residência, que é Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro.

O acesso a habitação para os professores deslocados é um problema há muito identificado, sobretudo em regiões como Lisboa, onde os preços exigidos pelo aluguer de um quarto ou habitação são incomportáveis para a maioria.

O Ministério da Educação, citado pelo jornal do grupo Impresa, fez saber que estão “em análise e em articulação com outros ministérios soluções que visem incentivar a colocação de professores em certos territórios”, sem concretizar hipóteses ou prazos.

Recomendadas

Bruxelas revê em alta. Economia da zona euro deverá expandir 4,3% em 2021

O investimento público, como proporção do PIB, deve atingir o nível mais alto em mais de uma década em 2022, afirmou a Comissão Europeia, adiantando que nesse ano a economia da zona euro deverá expandir 4,4%.

Comissão Europeia projeta défice de 4,7% para Portugal em 2021, acima da previsão do Governo

Bruxelas atualizou as suas previsões económicas para 2021, antecipando agora um cenário ligeiramente distinto do elaborado em outubro, quando o défice era visto a chegar aos 4,5% do PIB e a dívida pública a atingir 130,3%. No Plano de Estabilidade apresentado em abril, o Governo inscreveu um défice de 4,5% e um rácio de dívida pública de 128%.

Bruxelas vê a economia portuguesa a expandir 3,9% este ano e a acelerar 5,1% em 2022

A projeção compara com os 4,1% previstos por Bruxelas em fevereiro, e com a expansão de 4% que Governo inscreveu no Plano de Estabilidade. A Comissão Europeia vê a economia a crescer 5,1% em 2022, mas salienta que os riscos permanecem inclinados para o lado negativo devido à elevada dependência do turismo estrangeiro.
Comentários