Dona da Nowo assegura espetro em Portugal para construir rede 4G

O jornal espanhol “Expansión” dá conta que, ao adquirir espetro, a MásMóvil prepara-se para construir uma rede 4G em Lisboa, Porto e Algarve, competindo diretamente com os operadores históricos Meo, NOS e Vodafone.

Presidente do Conselho de Administração da Nowo, Miguel Venância, e o CEO do Grupo MásMóvil, Meinrad Spenger | Foto cedida

O grupo espanhol de telecomunicações MásMóvil, que está presente em Portugal através do operador Nowo, ganhou os três lotes na faixa dos 1.800 MHz na primeira fase do leilão da quinta geração da rede móvel (5G). Apesar de estar integrada no leilão do 5G, esta parte do espetro é essencial, sobretudo, para os serviços da quarta geração da rede móvel (4G).

A informação foi avançada na quarta-feira pelo jornal espanhol “Expansión”. O Jornal Económico contactou a Nowo, mas ainda não obteve respostas. Em vésperas do leilão do 5G arrancar, a MásMóvil tinha anunciado a sua intenção de participar no concurso.

O jornal espanhol dá conta que, ao adquirir espetro, a MásMóvil prepara-se para construir uma rede 4G em Lisboa, Porto e Algarve, competindo diretamente com os operadores históricos Meo, NOS e Vodafone. Mas a rede 4G que será criada poderá não ser uma rede própria, uma vez que, tratando-se de um novo entrante, o novo operador poderá estabelecer acordos de roaming nacional e, assim, utilizar parte das infraestruturas dos operadores já instalados para assentar a sua rede.

De referir que a MásMóvil terá garantido os três lotes na faixa dos 1.800 MHz por 18,117 milhões de euros cada, ao fim de oito dias e 44 rondas de licitação.

Segundo os dados da Autoridade Nacional de Comunicações, a primeira fase de licitação do leilão 5G, que se iniciou no dia 22 de dezembro de 2020, chegou ao fim no dia 11 de janeiro. Esta primeira fase consistiu no leilão de lotes nas faixas dos 900 Mhz e dos 1.800 MHz, reservada apenas para novos entrantes (potenciais novos players do mercado português), gerando um encaixe superior a 84 milhões de euros.

 

Recomendadas

O que é preciso para reconstruir o Montepio? Veja a entrevista a Pedro Corte-Real, candidato à liderança da mutualista

Que futuro para a mutualista Montepio? Pedro Corte-Real, crítico das várias lideranças da dona do Banco Montepio e candidato às eleições de 17 de dezembro da Associação Mutualista Montepio Geral pela lista B é entrevistado por Maria Teixeira Alves, grande repórter do JE, relativamente aos grandes desafios desta instituição.

Real Madrid e Barcelona unidos para tentar evitar entrada da CVC Capital na La Liga

A proposta alternativa dos dois maiores clubes da Espanha, juntamente com o Athletic Bilbao, seria que JPMorgan, Bank of America e HSBC emprestassem conjuntamente dois mil milhões de euros em troca de um pagamento anual fixo de 115 milhões de euros estendidos por 25 anos.

CTT esclarece que ação judicial contra Sequeira Braga não foi posta pela empresa

A Maxyield chamou de “comportamento arbitrário praticado por esta empresa cotada” a alegada ação judicial contra Gonçalo Sequeira Braga. Mas os CTT vêm hoje dizer que não há nenhuma ação da empresa contra o acionista minoritário. A ação é afinal da Secretária Suplente da Sociedade, a título pessoal.
Comentários