Dona do Minipreço e credores têm até sexta-feira para chegar a um acordo com Letterone

O grupo de distribuição alimentar Dia, que em Portugal é dona do Minipreço precisa de chegar a um acordo com o principal acionista da empresa, propriedade do milionário russo Mikhail Fridman, para uma injeção de 380 milhões de euros.

O grupo Dia, que em Portugal é dona do Minipreço, juntamente com os dez bancos e os sete fundos de investimento que possuem dívidas na cadeia de distribuição alimentar têm até sexta-feira para chegar a um acordo com a Letterone, principal acionista da empresa, para uma injeção de 380 milhões de euros, revela o “Cinco Días”, esta quinta-feira.

Segundo fontes financeiras próximas do processo, já foi alcançado um acordo mínimo no passado dia 20 de maio, quando o Dia entrou em pré-concurso. Na altura ficaram definidas as condições para refinanciar a dívida existente, tendo sido dado um período de três semanas para negociar os créditos adicionais, requisitos essenciais para que a Letterone, propriedade do milionário russo Mikhail Fridman faça o aumento de capital, para resgatar o grupo de distribuição alimentar.

O prazo de três semanas para negociar a nova dívida terminou na última sexta-feira sem acordo, mas para evitar a falência do grupo, ficou decidido dar mais uma semana para tentar chegar a um acordo. Esse período termina amanhã, mas caso todas as partes envolvidas no processo concordem, poderá prolongar-se novamente.

O preço destes novos créditos é o principal fator que está a gerar controvérsia. Os credores pedem juros de até 10%, enquanto a Letterone não está disposta a pagar mais de 5%. As fontes consultadas pelo “Cinco Dias”, indicam que os fundos que compraram a dívida do Commerzbank, JP Morgan e uma parte do Barclays são os que estão mais reticentes em assinar o acordo.

Neste momento, o grupo Dia vai sobrevivendo devido a pequenos empréstimos concedidos pela Letterone. No entanto, o tempo é curto. Outro dos compromissos do fundo com o banco foi que o resgate, seja com aumento de capital ou com empréstimo participativo, estará pronto a 19 de julho.

Cumprir este prazo é fundamental, dado que três dias depois a empresa enfrenta o vencimento de 306 milhões em títulos. O não cumprimento deste prazo complicaria ainda mais todo este processo, uma vez que cada credor poderá solicitar a um juiz a cobrança da sua dívida.

Ler mais
Relacionadas

Fridman chega a acordo com Santander e salva supermercados DIA da falência

Além do sucesso da Oferta Pública de Aquisição (OPA) e do acordo com os credores, o magnata russo exigia ter a maioria dos membros do Conselho de Administração da empresa, o que espera que aconteça em breve.

Milionário russo já controla maioria do capital da dona do Minipreço

A empresa Letterone de Mikhail Fridman possui 58,36% do grupo de distribuição alimentar Dia, após a oferta pública de aquisição (OPA), e prepara-se para ultimar o acordo com os bancos credores.

Investidor russo espera ter mais de 50% de dona do Minipreço e “sim” da banca

Mikhail Fridman acredita que vai controlar o grupo de supermercados a partir do próximo dia 13 de maio. Falta agora a aprovação dos credores bancários, entre os quais o Santander, que ainda não deu ‘luz verde’ para este acordo.
Recomendadas

IKEA vai investir em novas lojas em Portugal: margem sul do Tejo, Cascais e Sintra

A multinacional sueca pretende abrir lojas de pequena dimensão em Sintra, Cascais e a sul de Lisboa, assim como centros de encomendas, de planeamento e de levantamento.

Sonae quer abrir até 60 lojas Continente Bom Dia até 2021

Para apostar na abertura de novas lojas, a Sonae prevê um investimento acumulado entre 260 a 280 milhões de euros, sendo que para a manutenção da atual rede de hiper e supermercados e outros espaços lojistas o grupo poderá empregar cumulativamente até aproximadamente 445 milhões de euros nos próximos dois anos.

Sonae MC concluiu ‘sale and lease back’ de imóveis e ganhou 10,9 milhões

Esta operação totalizou 24,4 milhões de euros e gerou um ganho de capital estimado de 10,9 milhões de euros, refere a Sonae que adianta que “o nível de detenção de ativos de retalho (freehold) da Sonae MC passou a situar-se em 43%”.
Comentários