Donald Trump ameaça utilizar Exército para terminar protestos

“Vou enviar milhares e milhares de soldados fortemente armados, militares e agentes da lei para impedir os tumultos, vandalismos, agressões e a destruição arbitrária de propriedades”, referiu Trump.

O presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou utilizar o Exército para terminar as manifestações que têm acontecido em todo o país devido à morte de George Floyd, um cidadão afro-americano que morreu quando estava sob custódia da polícia de Minneapolis, avança a ‘BBC’.

Trump afirmou que as cidades e, consequentemente, os governadores dos Estados norte-americanos falharam em controlar os protestos e “defender os residentes”. Ao enviar o Exército para os maiores focos de protestos, que se espalharam pelo país, o presidente dos Estados Unidos promete “resolver rapidamente o problema por eles”.

O presidente norte-americano foi mais longe e garantiu que todos os americanos têm o direito de estar “revoltados com a morte brutal de George Floyd” mas que isso não significa que a sua memória possa desaparecer com uma “multidão furiosa” e descreveu os atos como uma “desgraça total”.

“Vou enviar milhares e milhares de soldados fortemente armados, militares e agentes da lei para impedir os tumultos, vandalismos, agressões e a destruição arbitrária de propriedades”, referiu Trump antes de culpar o grupo anti-fascista Antifa pelas manifestações.

Segundo a ‘BBC’, Donald Trump prometeu enviar a Guarda Nacional e as forças militares em reserva “em número suficiente para dominar as ruas”, sendo que até à data já terão sido enviados perto de 16 mil soldados para terminar com os tumultos.

Ao enviar o Exército para as cidades mais afetadas pelas manifestações, Trump pretende declarar que “as organizações de terror [manifestantes] vão enfrentar severas penalidades criminais”.

Alegadamente, a morte de Floyd aconteceu depois de este ter tentado comprar tabaco com uma nota falsa. O polícia Derek Chauvin, que se vê no vídeo que circulou nas redes sociais, manteve-se em cima do pescoço de Floyd, mesmo após este afirmar que não conseguia respirar e está agora acusado de homicídio em terceiro grau. Os outros três polícias envolvidos foram suspensos após o vídeo ser conhecido.

Até à data, os tumultos causaram a morte a dois manifestantes em Chicago e quatro polícias foram alvejados durante os protestos do movimento ‘Black Lives Matter’. Devido aos protestos, muitas cidades impuseram um regime de recolher obrigatório.

Casa Branca esconde Trump em bunker

Na sexta-feira, 29 de maio, os protestos intensificaram-se à porta da Casa Branca e os seguranças presidenciais levaram Donald Trump para um bunker durante uma hora, para assegurar a sua segurança. Também a primeira dama, Melania Trump e o filho mais novo do casal, foram levados para o mesmo bunker. 

Todos os funcionários que foram trabalhar esta segunda-feira, 1 de junho, tiveram de esconder os seus cartões de identificação e de entrada do serviço, de forma a evitar que fossem roubados pelos manifestantes. Segundo a ‘CNN’, a ordem veio diretamente dos Serviços Secretos.

Ler mais
Relacionadas

Segunda autópsia conclui que George Floyd morreu asfixiado

Uma segunda autópsia realizada ao cadáver de George Floyd concluiu que a sua morte deveu-se a uma asfixia prolongada. Na primeira autópsia, o médico legista oficial garantiu não ter “provas físicas que apoiassem o diagnóstico de asfixia traumática ou estrangulamento”.

EUA/George Floyd: Dois mortos em Chicago, pilhagens e detenções continuam em várias cidades

Duas pessoas morreram durante os distúrbios em Cicero, Chicago, enquanto os protestos pela morte do afro-americano George Floyd às mãos da polícia continuam em várias cidades dos Estados Unidos, bem como as pilhagens.

“For once, Don’t Do It”. Nike promove nova campanha anti-racista

“Não se sente e fique em silêncio”, lê-se na nova campanha da marca de desporto, que apela a todos que se pronunciem sobre a brutalidade policial contra os afro americanos e o racismo estrutural no sistema judicial do país.

Confrontos entre manifestantes e polícias abalam principais cidades dos EUA

Confrontos entre manifestantes e polícias abalaram no sábado à noite as principais cidades dos Estados Unidos, colocadas sob recolher obrigatório, na sequência da morte do afro-americano George Floyd.

Trump ameaça usar força contra protestos pela morte de George Floyd

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chamou “bandidos” às pessoas envolvidas nos protestos de Minneapolis contra a morte de George Floyd ameaçando que “quando as pilhagens começarem, os tiros vão começar”.
Recomendadas

Brasil deverá ultrapassar marca dos 100 mil mortos este fim de semana

Segundo as estimativas do consórcio de jornalistas brasileiro, demorou cerca de três meses até serem contabilizadas as primeiras 50 mil mortes e apenas 50 dias para que esse valor se voltasse a repetir.

Explosões em Beirute. Perto de 160 mortos e mais de 6 mil feridos

O ministério reviu em baixa o número de pessoas desaparecidas, indicando existirem 21, quando até agora tinha referido várias dezenas.

Mais de 60 pessoas continuam desaparecidas após a explosão em Beirute

Passaram quatro dias desde a explosão no porto de Beirute, no Líbano, que devastou a cidade e matou mais de 150 pessoas.
Comentários